NA BAHIA, O JOGO POLÍTICO NÃO SE MISTUROU COM O CORONAVÍRUS

NA BAHIA, O JOGO POLÍTICO NÃO SE MISTUROU COM O CORONAVÍRUS

Política é política e, mesmo em tempos de guerra ou de pandemia, ela não deixa de ser exercitada. Em tempos assim, se exige , no entanto, que os políticos ponham de lado as diferenças fundamentais e passem a agir de forma coordenada, atuando em prol da defesa da vida. Isso não quer dizer que a política tira férias em tempos de pandemia – ela nunca tira férias – quer dizer apenas que, mesmo fazendo política, os políticos do governo e da oposição tem de colocar momentaneamente suas diferenças de lado e agir com responsabilidade e coordenação quando o objetivo for a defesa da vida.

Não é o que esta se vendo no Brasil, mas é o que está se vendo na Bahia. Por aqui o governar Rui Costa, o prefeito ACM Neto, a Assembleia Legislativa e a Câmara de Vereadores de Salvador tem dado exemplo de responsabilidade e de entrosamento no combate ao coronavírus.  Em meados de março, Rui Costa e ACM Neto reuniram-se na governadoria, acompanhados de seus respectivos  secretários de saúde, para discutir ações conjuntas do estado e da prefeitura de Salvador para conter o coronavírus na capital e em toda a Bahia. E, desde então, várias medidas tem sido anunciadas, algumas de forma conjunta, outras de maneira individual, mas em todo momento se verificou que governo e prefeitura trabalhavam em prol do mesmo objetivo e de forma coordenada. E aqui cabe dizer que tanto a Assembleia Legislativa da Bahia, quanto a Câmara de Vereadores de Salvador, comandadas respectivamente pelo deputado Nelson Leal e pelo vereador Geraldo Jr., cerraram fileiras junto ao Poder Executivo aprovando os projetos e as leis necessárias para enfrentar o poderoso inimigo que atacou a população baiana.

Note-se que nada muda em relação ao embate político, oposição e governo continuam com seus projetos políticos, apenas se demonstra que é possível e recomendável que adversários políticos se unam em propostas comuns sempre que o objetivo seja a defesa da Bahia e de sua população.

Nesses tempos de polarização este artigo não vai viralizar, o que se vê no Brasil de hoje é a disputa política prevalecer qualquer que seja o assunto, seja a cloriquina ou o isolamento social, e o que se constata aqui é o contrário:  em tempos de pandemia, a polarização é tão nociva quanto o vírus. Na Bahia, felizmente, essa polarização não vingou e o jogo político não se misturou com o coronavírus. (EP – 13/04/2020)