A LAVAGEM DO BONFIM E OS CANDIDATOS A PREFEITO DE SALVADOR

A LAVAGEM DO BONFIM E OS CANDIDATOS A PREFEITO DE SALVADOR

Além de ser uma manifestação de fé do povo baiano, a  lavagem do Bonfim é tradicionalmente uma manifestação política na qual cada corrente apresenta ao povo seus representantes. Na próxima quinta-feira não será diferente e cada partido vai levar para o desfile os nomes que pretende apresentar para disputa pela Prefeitura de Salvador. O Prefeito ACM Neto, por exemplo, será a grande estrela do evento e vai desfilar tendo com estandarte Bruno Reis, o vice-prefeito e candidato ungido para disputar a eleição para Prefeitura de Salvador com apoio de vários partido.

O Prefeito fez tudo certo, até a data da unção do candidato, 10 dias antes da lavagem do Bonfim parece ter sido prevista, como foi previsto e negociado o apoio de vários partidos e do Presidente da Câmara, Geraldo Jr., além da desistência de Guilherme Belitanni e até o plano B, que continua em vigor, encarnado no nome de Léo Prates que está à postos para qualquer eventualidade. ACM Neto montou um “script” perfeito e vai apresentar ao povo de Salvador na Lavagem do Bonfim o futuro prefeito da cidade, desde que tudo saia de acordo com o “script”.

O governador Rui Costa não vai participar da lavagem do Bonfim e tem suas razões, afinal está convalescendo de uma operação. Mas há quem veja nessa ausência, a confirmação da posição do governador que parece pouco empenhado nessa eleição, pois pouco tem a ganhar com ela e muito a perder. Como bom político, Rui Costa não quer antecipar uma disputa com ACM Neto, já marcada para 2022, no campo do adversário. Melhor será, apoiar como um magistrado várias candidaturas e entrar em campo só após o primeiro turno, se algum candidato se mostrar competitivo.

Assim, órfão da sua maior liderança, a oposição vai entrar em campo meio desencontrada, especialmente o PT, cujo partido vai desfilar na avenida como uma Escola de Samba: cheio de alas. E assim, teremos a ala de Fabia Reis, de Juca Ferreira, de Robinson Almeida, Nelson Pelegrino e quem mais possa aparecer, todas esperando que o Senador Jaques Wagner, que ainda não se sabe se vai participar do cortejo, empunhe um desses estandartes e todos fazendo promessas ao Senhor do Bonfim para que lhes dê a graça de trazer o ex-presidente Lula para o desfile. Detalhe: entre os nomes citados apenas o deputado Nelson Pelegrino tem peso eleitoral na cidade.

Nesse cenário, quem parece destinado a fazer as vezes de oposição a Bruno Reis, candidato do prefeito, é o pastor Sargento Isidório, até aqui o candidato da oposição mais bem posicionado na disputa e com maior possibilidade de crescer junto ao eleitorado. Para ser competitivo, Isidório tem que mostrar força no cortejo, abandonar os pruridos religiosos, e sair de Bíblia na mão, acompanhado do maior número de partidos e líderes políticos que conseguir arregimentar.

Outros candidatos vão estar presentes na Lavagem do Bonfim e aí, entre outros, se destacam a deputada Lídice da Matta, pelo PSB, Olívia Santana, pelo PC do B, João Carlos Bacelar, pelo Podemos, Léo Prates pelo PDT, e quem sabe Ciro Gomes possa dar o ar da graça, e os componente os movimento Quero Ela, que justificamente propõem uma candidatura negra para Salvador. Felizmente a Lavagem do Bonfim é ecumênica e receberá a todos de braços abertos, mas, quando se trata de aplausos, é o povo o único rei. (EP – 13/01/2020)