ENTREVISTA: PREFEITO DE JACOBINA, TIAGO DIAS

ENTREVISTA: PREFEITO DE JACOBINA, TIAGO DIAS

A série de entrevistas do Bahia Econômica com prefeitos da Bahia segue com um bate-papo com prefeito de Jacobina, Tiago Dias ( PCdoB).

O gestor ficou conhecido no Brasil por decidir em reduzir em  92% o próprio ganho mensal e receber um salário mínimo (R$ 1.100), ao invés do R$ 15 mil do cargo.

Com 80 mil habitantes, Jacobina é conhecida como “Terra do Ouro” e alcança a 29º posição no  Produto Interno Bruto (PIB) na Bahia com arrecadação de R$ 1 385 788,37 mil, segundo último levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

O gestor municipal relatou os desafios de administrar uma cidade com turismo forte, mas afetada na pandemia. Destacou as ações na educação que segue com ano letivo de 2020 em curso e inovações da infraestrutura para manter economia pujante.

Destaque para extração do ouro que continua forte.

E também revelou que pertencendo ao PCdo B e foi até Brasília para posse do Ministro da Cidadania João Roma ( Republicanos).

Confira:

1 – Jacobina  é conhecida como a “Terra do Ouro” como é está a extração do ouro nesse momento de pandemia?

Prefeito Tiago Dias –  Não sofrem muito alteração, pois a mina ela tem e é a algumas situações específicas, claro que indiretamente e afeta, pois os fornecedores  são 60% da cidade, mas a produção é a boa, não temos o que reclamar. A extração é praticamente mesma. Mensal gera para o município  o Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM) em torno R$ 1 milhão, às vezes aumenta um pouco mais e resulta em uma geração de R$ 15 milhões anuais a extração de ouro para Jacobina.

Mas temos alguns convênios para aquisição de equipamentos, os carros e algumas políticas públicas que altera um pouco o valor. Temos associações  e alguns projetos ambientais. Alguns projetos de  geração de emprego e renda também para causa animal, como o projeto da Macaqueira que também são subsidiados com esse valor.

2- O senhor abriu mão de 92% do seu salário. Recebe um salário mínimo para administrar o município e ficou conhecido nacionalmente por essa atitude. Pode explicar o que motivou tomar essa decisão? 

Prefeito Tiago Dias – Olha eu nasci e me criei na zona rural. Desde cedo trabalho com meus pais, quando entrei na associação da comunidade eu aprendi muitas coisas, aprendi a me colocar no lugar do outro, dizer sim e  não, aprendi a ver as coisas, ter tranqüilidade, a compreender que mesmo momentos de dificuldade, eu encarar o momento dificuldade uma oportunidade de fazer diferente.

Já dizia Platão “O castigo dos bons que não gosta de participar do processo político é ser governado pelos maus”. Entendi a mensagem e me coloquei como vereador, fui o segundo mais votado, pois  quando você não participa alguém toma decisão por você. Fui reeleito  como vereador, depois fui eleito como deputado estadual, o mais votado nos últimos 30 anos de Jacobina. E acreditando que homem público tem que fazer história, se quiser fazer patrimônio busque outra profissão. Política é arte de servir, entrar na história de seu município.

Andando bastante, visitando os quatro pontos da cidade é participando da formação das bases, vi que precisava dar algumas respostas à população, fazer algumas reparações.

Não significa que o acredito que um salário mínimo seja o ideal, é pequeno no Brasil oporem é o que está acessível para 90% dos trabalhadores e trabalhadoras  do país. O  prefeito não pode está nem acima nem abaixo da população tem que estar lado a lado. É fácil o prefeito falar: “vou governar para o povo  e com o povo”,   mas ganhando 15 vezes a mais que o povo. Foi uma forma de dizer para população que quem chegou à prefeitura foi um trabalhador e nada melhor do que contar na própria carne. Indo direto naquilo que a maioria das pessoas não querem mudar. E de fato vivo com um salário mínimo, não tenho outra renda, vivo do que eu faço. O dia todo trabalhando visitando lugares. Acredito que política que tem que ser nesse formato, você  passar ser o pai a mãe da sociedade. Essa decisão foi fazer uma reparação, pois político nada mais. Político é empregado do povo. E ainda tenho vantagem, pois tenho carro à disposição, e na maioria os trabalhadores não têm nenhuma bicicleta.

3- Mesmo sendo do PCdoB, o senhor foi à posse de João Roma. Explica para o leitor do Bahia Econômica.

Prefeito Tiago Dias – Fomos  prestigiar um ministro baiano, apesar de não caminharmos politicamente com o Presidente da República, é uma ação que trás um resultado positivo, investimentos no estado. E eu não poderia deixar de estar presente. Neste momento, deixamos de lado a questão partidária e ideológica e pensamos na população. E com certeza, esse contato com o Ministro  João Roma foi muito bom, pois logo nós estaremos apresentando algumas demandas  do nosso município. Essa relação tem que ser bem trabalhada para eu  que não prejudiquemos nosso povo. Não conversei com Bolsonaro. Mas com Ministro sim, em março ou abril teremos uma audiência com o ele.

4- Quais são os planejamentos políticos para eleições de  2022?

Prefeito Tiago Dias – Cargo provavelmente não vou disputar. Mas a política é bem dinâmica. No primeiro momento, vou continuar como prefeito de Jacobina. Quando eu vou para uma disputa é bem antecipada. Quando disputei o cargo vereador, a primeira vez lançou um período bem antes. Acredito que tem que tem que colocar o time na rua. Com relação a apoio, vamos caminha com o time do governador Rui Costa.

5-  O município se destaca para além da extração de ouro como também pelo turismo, agricultura e esses setores foram impactados  pela pandemia?

Prefeito Tiago Dias – Sim houve restrições de acesso em muitas cachoeiras que temos aqui. E também no último final de semana,  houve restrição de decreto das feiras livres. Já que temos quatro distritos que a cidade comporta. Mas é isso, para a  economia da cidade de Jacobina, o ato de fechar as fronteiras prejudica, pois somos  a maior cidade da região, muitos serviços só são realizados em Jacobina, principalmente em órgão estadias e federais. É complexo, pois a economia é fomentada por serviços, tudo tem que ser tudo analisado  Mas está fluindo bem.   A  feira livre  teve alguns transtornos, mas nada que não puder ser resolvido com o diálogo.

6- Pode revelar prefeito quanto a arrecadação os cortes públicos foi afetada  nesse um ano de pandemia?

Prefeito Tiago Dias – Mas dizemos há queda em torno de 20% em janeiro, fevereiro estamos fechando. Tivemos uma previsão de R$  22 milhões de reais arrecadamos em torno de 17 milhões.

7- Qual foi o apoio tanto do governo estadual quanto do governo federal concedido para Jacobina?        

Prefeito Tiago Dias – Estamos iniciando, mas para você ter ideia até agora não tivemos nenhuma audiência com o governo do Estado. Tentamos marcar uma audiência e não conseguimos, mudou tudo, mudaram as regras. Com  relação ao  apoio estamos dialogando bem. Há alguns incentivos, inclusive, hoje eu tinha uma reunião com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE),  para tratar de alguns expressivos de algumas empresas que estão querem se instalar  em Jacobina e foi cancelada. É isso, o momento está atrapalhando. Pois não se consegue ter uma agenda funcionando normalmente. O que está podendo ser feito está sendo feito. O  governo dá suporte nessa questão da saúde e alguns investimentos, coisas específicas de combate  a pandemia.  Precisamos de alguns investimentos que se antecipe ao vírus. Hoje nós temos recursos de convênios firmados com mineradora, com a faculdade de medicina, mas que não podem utilizadas outras áreas, somente pode ser utilizado ao combate à pandemia.  É a luva,  é a máscara, álcool em gel e UTIs, das  coisas simples e  coisas bem mais caras.  É oito ou oitenta.

 8- O que o senhor aponta como que precisa de investimento  no município?

Prefeito Tiago Dias – Temos uma cidade antiga construída em Pé de serra.  Para se ter idéia há 10 anos tinha 13 mil veículos fora os flutuantes, hoje nós temos mais de 30 mil veículos foram os flutuantes.  As ruas são as mesmas, as avenidas são as mesmas, a gente precisa de bastante investimento nessa infraestrutura, mudar de capacidade hídrica, precisamos aumentar a oferta de água,  é preciso ampliar a extensão da linha de internet,  e as próprias vias de passagem. Hoje em Jacobina, às 12h, se tem dificuldade em circular pelo volume dos carros. É a infraestrutura  de nossas estradas é muito ruim e precisamos  unir  forças pra melhorar. Temos distrito com seis mil, oito mil habitantes e com grande produção agrícola e precisamos escoar essa mercadoria. Estamos tentando melhorar em relação à inspeção. Você tem o crédito, tem assistência, mas não tem a  segurança jurídica. Para termos o dinheiro novo. Temos dois segmentos que vai alavancar nossa economia que e agricultura é pouco explorada, ¼ da população é da rural. E também o turismo, já que muitas cidades Brasil que cria cenários para se tornar turística  e Jacobina já têm esses cenários por natureza. Vamos investir e acreditar apostar nessas duas vertentes.

9-Quais são os planejamentos futuros para Jacobina?

Prefeito Tiago Dias – Nós temos aqui uma pista de pouso. A idéia é tirar de onde ela está, e levar para outra região. Transformar o local da pista de pouso em um centro administrativo para nossa população ter mais acessibilidade aos órgãos públicos, do estado, federais e do município para facilitar essa dinâmica. E solicitar um aeroporto novo, nós temos essa necessidade.  Assim como alguns equipamentos que não temos  como o Corpo de Bombeiro, apesar de  Jacobina ter  80 mil habitantes, temos um comércio amplo, e em fase de expansão. Também estamos planejando construir uma usina de energia solar para abastecer toda máquina pública para reduzir custos e  também melhorar o meio ambiente ajudar o meio ambiente tal como está trabalhando com certeza em várias tecnologias  e Jacobina em breve além d do mundo. 

10 – Prefeito Tiago, pode dar um panorama  para o leitor do Bahia Econômica  da situação da pandemia do Coronavírus no município de Jacobina? Os investimentos que foram feitos na saúde, a situação de leitos e as medidas restritivas no município?

Prefeito Tiago Dias – Hoje inclusive, peguei o decreto do Governo do Estado. Estamos seguido esse decreto, hoje aqui em Jacobina só  vai funcionar os serviços essenciais. Os investimentos são feitos. Os  nossos leitos de  UTIs estão 100% ocupados mais de 40 óbitos. Nossos leitos são regionais e dos 10 leitos apenas dois pacientes são de Jacobina o restante são pacientes de fora do município. Mas a situação é complexa. A receita  70% do município é de serviço. E quando tomamos uma decisão  de seguir o decreto impacta diretamente nesse setor. Mas devemos preservar vidas e respeitar o momento difícil  de muitas incertezas, sem clareza do que tem que fazer para dar certo e  ajustando e vamos  ajustando de acordo com algumas falas de cientistas e experiência que vem dando certo em alguns lugares.

11- Como está situação da vacinação no município?

Prefeito Tiago Dias–  Nós estamos com 3% da população vacinada, o que  o ideal seria 70%. Ainda está muito baixo, mas não vamos parar, vamos  ajustando cobrando e solicitando que amplie  essa vacinação e assim traga mais tranqüilidade  para nossa população.

12- Em jacobina que foi que o senhor fez pra tentar barrar ou então para melhorar a situação  da pandemia  do Coronavírus? Qual foi a medida cirúrgica que foi aplicada em no município?

Prefeito Tiago Dias – O que  nos fazemos é  o que o País todos está fazendo.  Incentivando os munícipes que respeitem o distanciamento, que usem máscaras, disponibilizar álcool gel. Não tem muito o segredo, o que temos de  certeza  e esperar a vacina. Nós temos a população que tem alguns hábitos que geram aglomeração e tirar isso de uma hora para outra é complexo. Jacobina vem se esforçando para ter êxito nas ações desde a população até as empresas vem colaborando.

13 – Como está a situação da educação  me Jacobina? Quais medidas adotadas?

Prefeito Tiago Dias – Fizemos uma jornada pedagógica virtual, e estamos inserindo alguma plataforma para as aulas acontecerem. Vamos inserir na comunidade que não tem internet, vamos levar a internet  in loco. O ano letivo de 2020 estamos concluindo. Inclusive minhas filhas estudam na escola pública. Temos um projeto que toda frota de transporte escolar terá ar condicionado. Os gabinetes  dos prefeitos e vereadores têm climatização, e porque as conduções que levam os alunos para escola não pode ter? E de tabela pegamos uma frota renovada, pois somente carros novos e seminovos que tem esse equipamento. Para além disso, as escolas reformadas pelo menos 40% escolas serão climatizadas. Já fui aluno de escola pública, a poeira, blusa suada, é um pouco constrangedor. Baseado em nossa caminhada vamos criar uniforme completo para universalizar o uniforme. Além da merenda escola queremos inserir 100% de produtos orgânicos, queremos incentivar que os pais  dos alunos que são agricultores sejam inseridos nesse processo. E assim, gerar renda para o agricultor.