segunda, 15 de abril de 2024
Euro 5.5233 Dólar 5.1909

ARMANDO AVENA –  PETROBRAS: ENTRE O IRRELEVANTE E O ESSENCIAL

Redação - 14/03/2024 07:16 - Atualizado 14/03/2024

O Brasil é um país curioso. Aqui os analistas preferem destacar o irrelevante em detrimento do essencial. Vejamos, por exemplo, os resultados da Petrobras em 2023. A empresa registrou um lucro líquido de R$ 124,6 bilhões, o 3º maior entre as gigantes petrolíferas do mundo. Foi um desempenho excepcional, mas o que teve destaque foi que isso representou uma queda de quase 34% em relação a 2022. Ora, a Exxon, maior petroleira do mundo, reduziu seu lucro em 35%  e a Chrevon em 40%  e assim foi com todas as gigantes petrolíferas que tiveram o preço do barril de petróleo inflado em 2022, por causa da guerra da Rússia contra a Ucrânia. Então, o pouco relevante – uma queda já esperada no lucro das petroleiras – foi o destaque em detrimento do fato de se ter alcançado o segundo maior lucro da história da empresa.

Os economistas gostam de siglas indecifráveis e dão o nome de Ebitda ao lucro obtido  após abatidos os juros, impostos e depreciação. Pois bem, a Petrobras registrou em 2023 o segundo maior Ebitda da história. E para completar o bom desempenho, investiu quase 13 bilhões de dólares e reduziu sua dívida financeira em US$ 1,2 bilhão. Isso é o essencial, mas o destaque foi o menos relevante:  a decisão do Conselho de Administração de pagar neste momento os dividendos ordinários e adiar o pagamento dos dividendos extraordinários. Note-se que os dividendos extraordinários, terão de ser pagos mais cedo ou mais tarde, porque assim manda a lei, mas isso bastou para que o tema se transformasse em uma crise política, sob o argumento de que o governo estaria interferindo na gestão da empresa.   Uma crise vazia porque não importa a vontade do governo, a estatal tem de obedecer a Lei das S/A e seu estatuto e está sujeita aos padrões de governança e compliance. Mudar isso tem de passar pelo Congresso.

Mas, de novo, destacando o pouco relevante em detrimento do essencial, o destaque foi que, em função da “crise”, a Petrobras perdeu R$ 55,3 bilhões em valor de mercado. Ora, quem trabalha em Bolsa sabe que isso é um cálculo simplista, ou seja, a ação de qualquer empresa sobe e cai por causa de qualquer instabilidade, seja política ou econômica, e é uma balela dizer que a empresa perdeu valor de mercado por causa de movimentos conjunturais. Até porque, um dia depois ela recuperou na Bolsa o que tinha perdido. A única coisa útil dessa “crise” sobre os dividendos da Petrobras, foi a decisão de nomear um representante do Ministério da Fazenda para o conselho de administração.

Na verdade, sob o ponto de vista técnico, a gestão de João Paulo Prates tem se mostrado eficiente. A mudança na política do Preço de Paridade Internacional, por exemplo, vista como uma crise anunciada, foi feita sem transtornos; os investimentos da empresa cresceram 29% em 2023;  a dívida foi reduzida e a produção no pré-sal foi 10% maior do que em 2022.

Outro tema sensível, a negociação para que a Petrobras volte a operar as refinarias, como a Refinaria de Mataripe, não está sendo feita com arroubos nacionalistas, mas no âmbito da bolsa de valores e de um pacote de investimentos.

E aqui chegamos ao ponto básico. No que se trata da Petrobras, o problema não está em ela ser uma estatal, afinal existem grandes estatais petrolíferas, como na Arabia Saudita, na China, na Rússia, na Noruega e em outros países. O que importa é a Petrobras dar lucro, ter governança e compliance, remunerar seus acionistas e não ser usada como instrumento de política pelo governo. Por enquanto, a Petrobras tem tudo isso, dá lucro e ainda destina bilhões em dividendos ao Estado brasileiro, seu sócio majoritário, reduzindo assim o rombo das contas públicas.

                                    2024: O ANO DA CONSTRUÇÃO CIVIL

Tudo indica que o ano de 2024 será o ano da construção civil na Bahia. O ano de 2023 não foi bom, o PIB da construção civil caiu 0,7% no Estado, segundo dados da Sei/Seplan. Mas em 2024, o cenário é outro. O estoque de unidades disponíveis é um dos mais baixos dos últimos anos. Salvador, por exemplo, conta hoje com 4,6 mil imóveis disponíveis para venda, um estoque que acaba em 6 meses. Além disso, a taxa de juros real caiu, para algo em torno de 6,5%, uma das mais baixas da década. No mercado imobiliário uma taxa de juros real de 7% já é considerada neutra. Abaixo disso, estimula vendas e investimentos. E ainda tem o Minha Casa, Minha Vida e os investimentos em infraestrutura.

 

Publicado no jornal A Tarde em 14/03/2024

Copyright © 2023 Bahia Economica - Todos os direitos reservados.