MP-BA RECOMENDA QUE UNIVERSIDADES ESTADUAIS CUMPRAM COTAS PARA PROFESSORES

MP-BA RECOMENDA QUE UNIVERSIDADES ESTADUAIS CUMPRAM COTAS PARA PROFESSORES

Em nota divulgada nesta quinta-feira, 28, o Ministério Publico estadual recomenda que as Universidades do Estado da Bahia (Uneb), estaduais de Feira de Santana (Uesf), do Sudoeste da Bahia (Uesb) e de Santa Cruz (Uesc), cumpram corretamente o sistema de cotas nos concursos para docentes, respeitando a determinação legal de reserva de 30% da totalidade de vagas para candidatas e candidatos negras e negros.

O documento expedido pela promotora de Justiça Lívia Vaz, recomenda que nos editais de concurso para professores das universidades seja previsto o quantitativo total de vagas para cada cargo, informando quantas delas serão destinadas à ampla concorrência e quantas serão reservadas às cotas raciais. Caso as universidades tenham publicado editais que não respeitem as normas e recomendações previstas, a recomendação é de que “suspendam e revisem o ato para o devido cumprimento das determinações legais”.

A promotora de Justiça Lívia Vaz afirma na recomendação que as universidades estaduais da Bahia têm adotado uma sistemática de seleção que fraciona as vagas por departamento, o que gera uma “restrição indevida no número de vagas reservadas a candidatas e candidatos da população negra, o que desconsidera a totalidade de vagas previstas nos respectivos editais”.

Segundo Lívia Vaz, a prática viola o Estatuto da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa do Estado da Bahia, de 2014, que determina que a reserva de vagas para a população negra nos concursos públicos e processos seletivos para provimento de pessoal no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta Estadual corresponda, no mínimo, a 30% das vagas a serem providas.

 

Foto: Reprodução