ADARY OLIVEIRA- A VENDA DOS CAMPOS DE PETRÓLEO

ADARY OLIVEIRA- A VENDA DOS CAMPOS DE PETRÓLEO

A Petrobras continua firme na venda de ativos fora do eixo Rio de Janeiro – São Paulo, jogando todas as fichas da exploração e produção de petróleo e gás natural no pré-sal, concentração que não deixa de representar ponto de vulnerabilidade. A produção em terra é de menor custo e apesar de aplaudirmos os avanços do pré-sal, que já representa mais de 70% da produção nacional, a margem de contribuição desse negócio fica estreita quando o preço do petróleo no mercado global fica próximo de US$40/barril, como agora. O preço internacional do óleo passará a influenciar mais a economia interna do Brasil quando empresas multinacionais, como o Mubadala, com a provável compra da RLAM e do Temadre na Bahia, iniciarem atuação como fornecedoras de gasolina e óleo diesel no mercado doméstico.

A divulgação feita pela Petrobras na semana passada, da oportunidade de venda de sua participação em onze concessões de campos de produção terrestres, com instalações integradas compostas 3.000 poços, 17 estações de tratamento, uma estação de gás, 350 km de gasodutos e oleodutos, três bases administrativas localizadas em diferentes municípios do Estado de Sergipe, conhecidas como Polo de Carmopolis, se somam a outras iniciativas de venda anunciadas pela estatal, como as seguintes:

  1. Alagoas –Sete concessões de produção (Anambé, Arapaçu, Cidade de São Miguel dos Campos, Furado, Paru, Pilar e São Miguel dos Campos) e instalações da Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN);
  2. Bahia – Quatro campos terrestres (Conceição, Quererá, Fazenda Matinha, Fazenda Santa Rosa) localizados na Bacia de Tucano, vendidos à Eagle;
  3. Rio Grande do Norte –Afora as 34 concessões do Distrito Potiguar, 30 dos quais passaram a ser operados pela PetroPotiguar no Riacho da Forquilha,a venda à Central Resourcesdedois campos de produção terrestre (Ponta do Mel e Redonda);
  4. Amazonas – Além da venda do Campo de Azulão, na Bacia do Amazonas, a oportunidade de venda dos campos terrestres (Arara Azul, Araracanga, Leste do Uruçu, Rio Uruçu, Sudoeste Uruçu e Carapanaúba) na Bacia do Solimões;
  5. Espírito Santo – A venda de três campos terrestres do Polo Lagoa Parda à Imetame;
  6. Rio de Janeiro – Venda à empresa Trident Energy do Brasilde dez campos localizados em águas rasas da Bacia de Campos, componentes dos Polos Pampo e Enchova.

As vendagens dos ativos da Petrobras, segundo informações divulgadas pela própria empresa, cumprem decisão alinhada à estratégia de otimização de portfólio e à melhoria de alocação do seu capital, concentrando seus recursos em ativos de águas profundas e ultra profundas com alta produtividade.

As alienações que estão sendo promovidas pela Petrobras têm agitado o setor com a entrada de empresas que ampliam o leque das petrolíferas e incentiva oaumento da atividade de refino no Nordeste. Não se deve deixar de registrar a chance que tem o governo de realizar investimentos em infraestrutura, principalmente com a abertura de novas estradas para os campos produtores, a construção de dutos de transporte e ampliação dos terminais marítimos. Vale apontar que as atividades petrolíferas tendem a ocupar espaço fora do litoral, de muita importância para a interiorização da atividade econômica. De igual modo se deve pressionar a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) para incluir novas áreas do Nordeste nos próximos leilões, sendo necessário a realização de estudos prévios de prospecção de competência dessa agência.

O petróleo, em que pese os avanços de outras fontes energéticas consideradas não poluentes como as geradas pelo vento e luz solar, continuará sendo, por muito tempo, importante matéria prima da indústria química e petroquímica e usado mundialmente na geração de energia devido ao seu baixo custo de produção e versatilidade de uso, constituindo-se de insumo notável na multiplicação da riqueza e do progresso.

Adary Oliveira é engenheiro químico e professor (Dr.) – adary347@gmail.com