LEVANTAMENTO APONTA QUE 28% DOS UNIVERSITÁRIOS BRASILEIROS GASTAM MAIS DA METADE DO ORÇAMENTO COM ESTUDOS

LEVANTAMENTO APONTA QUE 28% DOS UNIVERSITÁRIOS BRASILEIROS GASTAM MAIS DA METADE DO ORÇAMENTO COM ESTUDOS

Uma pesquisa realizada pela Companhia de Estágios, consultoria especializada em programas de estágio e trainee, mostra que 28% dos estudantes gastam mais da metade do orçamento com os estudos. Além disso, 29% afirmam que as mensalidades comprometem um terço da renda mensal. O levantamento intitulado como “O perfil do candidato a vaga de estágio – 2019” mostra também que 22,5% dos alunos têm os estudos pagos pelos familiares, já 16% dos entrevistados estudam em universidade pública, enquanto 13% são contemplados com bolsa integral.

Embora seja comum no mercado de trabalho profissionais buscarem por vagas que ofereçam um salário mais competitivo e uma boa cesta de benefícios, quando se trata de estágio, esse cenário muda um pouco. De acordo com o mesmo levantamento, 73% dos estagiários valorizam mais a oportunidade de aprendizado que a modalidade pode oferecer. No entanto, para 31% a principal desvantagem é a remuneração. Segundo o diretor da Companhia de Estágios, Tiago Mavichian, na hora da busca por uma oportunidade, alguns jovens veem a remuneração como um empecilho, por ser, muitas vezes, abaixo dos custos mensais que eles possuem com a universidade. “O aprendizado deve sempre ser uma prioridade de nesta fase. Mas, certamente, a bolsa-auxilio também é avaliada, e para aqueles que arcam com as mensalidades da faculdade, fazer essa mudança nem sempre é fácil”, explica Mavichian.

O estudo também levantou informações de renda dos estudantes que já estagiam. A pesquisa mostra que apenas 9% possuem uma bolsa-auxílio acima de R$ 1.500,00. Mas, quando se trata de estagiários que recebem até um salário mínimo, há uma certa discrepância, já que 51% dos entrevistados ganham uma remuneração de até R$998,00 no estágio. Para 16% dos entrevistados a bolsa auxilio é de até R$1.500,00, para 20% a renda mensal vai até R$1.200,00. Enquanto somente 4% não possuem uma remuneração, mas é importante lembrar que isso só pode ser aplicado em caso do estágio curricular obrigatório.

Fazer a escolha de sair de um emprego que banca os custos da universidade e migrar para um estágio para finalmente entrar na área, não é nada fácil, especialmente, quando a vaga ocupada no momento oferece uma remuneração melhor que o estágio. “Nesta situação é comum o jovem ficar indeciso. Mas fazer o estágio é importante, não apenas pelo aprendizado em si, mas também para ter melhor visibilidade no mercado quando estiver formado e, consequentemente, ter mais competitividade no salário”, detalha Mavichian.

No entanto, muitas empresas investem bastante no estagiário, por acreditar que ele é um talento que agrega dentro da companhia. Sendo assim, elas costumam oferecer salários acima da média, além de uma boa cesta de benefícios. Porém, essas vantagens fazem com que os processos seletivos sejam mais acirrados. Dessa forma, a dica é mirar nessas companhias que oferecem essas atratividades e se emprenhar para conseguir a vaga. “Todo mundo espera por uma boa oportunidade de estágio. Iniciar a carreira em uma grande companhia que valoriza o estagiário é começar com o pé direito. Porém, é importante estar qualificado para atender os requisitos que eles pedem. Então, é necessário ficar de olho em quando elas abrem as vagas, e claro, ter o currículo que elas precisam”, finaliza o diretor da Companhia de Estágios.