terça, 28 de maio de 2024
Euro 5.6328 Dólar 5.1736

ARMANDO AVENA – A BYD É O FUTURO

Redação - 12/10/2023 07:46 - Atualizado 25/10/2023

A Ford era o passado, a BYD é o futuro. Foi essa a frase que me veio à cabeça no dia em que a empresa chinesa lançou a pedra fundamental das suas instalações no site da antiga Ford. A BYD é o futuro porque vai investir R$ 3 bilhões na instalação de três fábricas e vai recompor a indústria de bens finais na Bahia. Todavia, muito mais importante que isso, é o fato da BYD fabricar carros elétricos, que é o futuro da indústria automobilística no mundo, e ampliar a matriz produtiva baiana focada na energia limpa e na neo-industrialização, que representa o processo de modernização industrial comprometido com o meio ambiente, é baseado em inovação e sustentabilidade e busca a integração com as cadeias produtivas internacionais.

A produção de carros elétricos vai ampliar a matriz produtiva baiana, que está se especializando na energia limpa e na qual já somos líderes em energia eólica e solar e teremos em breve uma grande refinaria de biocombustíveis resultante do acordo da Petrobras com a Acelen. Ou seja, a Bahia tem todas as potencialidades para ampliar uma cadeia de produção energética/industrial limpa.

A BYD é o futuro e seu CEO global, Wang Chuanfu, o Elon Musk da China, anunciou em seu discurso na solenidade a implantação de um Centro de Pesquisa e Desenvolvimento na Região Metropolitana de Salvador, avisando que a empresa conta com mais de 90.000 engenheiros e gera 19 patentes por dia. E um dos primeiros projetos deste centro será o desenvolvimento de uma tecnologia local para fazer um motor híbrido que aceite etanol, ainda no âmbito das energias renováveis, anunciou Stela Li, presidente da empresa nas Américas. Esse é o caminho da indústria limpa: a integração de cadeias produtivas que não agridem o meio-ambiente.

O CEO da BYD foi mais longe e afirmou que quer transformar a Região Metropolitana de Salvador no Vale do Silício brasileiro”. Ora, há muito otimismo neste anúncio, mas, se a meta for levado a sério pelos poderes públicos, e, levando em conta que temos aqui um centro de excelência em pesquisa de prestígio mundial, o Senai/Cimatec, que atua em vária áreas; e um  Centro de Desenvolvimento de Tecnologia, em Camaçari, no qual a Ford emprega atualmente  1.500 engenheiros, especialistas em criação e design de novos produtos para suas operações em nível global, é possível, guardando as devidas proporções, ter nosso pequeno Vale do Silício.

A BYD é o futuro porque também abre perspectivas para o empresariado baiano e de outros estados, já que estabelece a intenção de montar um polo de fornecedores em diversas áreas, seja na produção de autopeças e equipamentos técnicos ou na prestação de serviços. E, além disso, esse polo de fornecedores pode ter alcance regional, integrando-se com as necessidades da Stletantis, a maior montadora de automóveis do país, que possui uma grande unidade em Pernambuco.  Por tudo isso, a BYD é o futuro e a Bahia a recebe de braços abertos.

BYD E OS INCENTIVOS

As montadoras brasileiras estão atrasadas quando o assunto é carro elétrico. Em setembro, por exemplo, entre os carros elétricos mais vendidos no país, todos eram importados. O BYD Dolphin foi o mais vendido, em proporção 10 vezes maior que o 2º lugar, da Volvo. As montadoras acham que o carro elétrico é caro para os padrões internos de renda brasileiro, mas esquecem que a classe média e alta tem padrão de renda semelhante à de alguns países europeus. E o carro elétrico está ficando mais barato e vai ficar mais ainda com a prorrogação dos incentivos para as montadoras fora do eixo Sul/Sudeste.  É por isso que a poderosa Anfavea está lutando com unhas e dentes para impedir a prorrogação.

OURO BRANCO

O Brasil é um dos maiores produtores de algodão do mundo. E a Bahia é o 2º maior produtor do Brasil. Este ano a safra deve alcançar 7,6 milhões de toneladas, um avanço de 12,3% em relação a 2022. Mato Grosso e Bahia, somados, concentram 91% da área plantada no país. E o município de São Desidério, na região Oeste,  é o 2º  maior produtor de algodão do Brasil. As exportações brasileiras de algodão também vão bater recorde este ano e a Bahia é um dos maiores exportadores. O valor das exportações baianas de algodão supera produtos tradicionais como cacau, café e frutas. E as indústrias beneficiadoras seguem crescendo no estado. O algodão é chamado de ouro branco e o apelido reflete a realidade.

Copyright © 2023 Bahia Economica - Todos os direitos reservados.