AGU CRITICA STF NA VACINAÇÃO INFANTIL: “AFRONTA AO GOVERNO”

AGU CRITICA STF NA VACINAÇÃO INFANTIL: "AFRONTA AO GOVERNO"

A AGU (Advocacia-Geral da União) afirmou, nesta terça-feira (11), que o STF (Supremo Tribunal Federal) estaria desrespeitando a independência entre os Poderes da República caso obrigasse o governo federal a permitir a vacinação contra a Covid-19 para crianças de 5 a 11 anos de idade e incluísse esse público no Programa Nacional de Imunizações (PNI) contra a doença. A declaração veio em respostas contra a ação apresentada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos (CNTM), que foi ao STF para tornar obrigatória a vacinação de crianças no país.

No documento enviado à Corte, os advogados da União afirmam que a eventual intervenção judicial no caso “representaria afronta indiscutível ao basilar princípio da separação dos Poderes”. Assim como fez o Ministério Público, os advogados da União argumentaram que a Confederação não apresentou evidências de legitimidade para pleitear a causa, já que não há conexão entre a sua área de atuação e o tema da ação.

“Como se vê, não encontram qualquer amparo na realidade fática as premissas em que se assentam as argumentações contidas na petição inicial, no sentido de que o Governo Federal estaria deixando de providenciar a extensão da campanha de imunização para crianças de 05 (cinco) a 11 (onze) anos. Ao revés, foram tomadas as devidas providências em relação à vacinação dessa faixa etária”, defende a AGU no documento encaminhado ao Supremo.

(Foto: Marcelo Camargo/Arquivo Agência Brasil)