quinta, 30 de maio de 2024
Euro 5.6372 Dólar 5.2038

CASOS DE FEMINICÍDIOS CRESCEM 11,8% NA BAHIA, SSP CONTESTA

Redação - 19/10/2021 16:00 - Atualizado 19/10/2021

A Bahia registrou um aumento de 11,8% nos casos de feminicídios entre 2020 e 2021, segundo o último Anuário Brasileiro de Segurança Pública (ABSP). De acordo com o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), 61 casos de feminicídio foram registrados na unidade até 13 de setembro deste ano, seis casos a menos que no mesmo período de 2020. De acordo com o jornal A Tarde, a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) contesta e afirma que houve uma diminuição de 13% nos registros, comparado de um ano para o outro.

De acordo com o Anuário, 61,8% das mulheres vítimas de feminicídio no Brasil entre 2016 e 2020 são negras. A análise foi produzida a partir dos microdados dos registros policiais e das secretarias estaduais de Segurança Pública ou Defesa Social. Em 2020, nas cidades baianas foram registrados 113 casos.

A violência doméstica e familiar ou o menosprezo e discriminação à condição de mulher integram o escopo legal deste tipo de crime. A escalada até a violência letal pode ser iniciada ainda na infância. Ainda de acordo com ABSP, o cruzamento de dados de gênero e raça aponta que, enquanto meninos negros são submetidos muito cedo a mortes violentas, sobretudo na adolescência, as meninas são as maiores vítimas de estupros de vulneráveis.

No caso do feminicídio contra mulheres negras, há um encontro de violências do racismo e do machismo, criando cenários específicos de atentados à vida dessas mulheres. “Questões históricas assentadas na exploração e dominação das mulheres, sobretudo das negras, evidenciam o aumento desses casos de forma global. O problema fica ainda maior quando observamos a variável raça”, diz a advogada Camila Garcez, mestre em Direito Público pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), ainda segundo o jornal.

O Anuário revela que, em todas as faixas etárias, crianças e adolescentes do gênero feminino são a maioria das vítimas de estupro de vulneráveis. De 0 a 4 anos, crianças brancas são as mais acometidas. Em todas as outras faixas, são crianças e adolescentes negras, podendo alcançar 56%.

Veja também:

Casos de feminicídio caem 13% na Bahia em 8 meses, diz SSP

 

 

 

 

Foto: Rose Cardozo/Facebook/Reprodução

Copyright © 2023 Bahia Economica - Todos os direitos reservados.