BERNADO DE MENEZES- GOVERNO LIBERA CRUZEIROS MARÍTIMOS SEM ARGENTINA E URUGUAI NO ROTEIRO

BERNADO DE MENEZES- GOVERNO LIBERA CRUZEIROS MARÍTIMOS SEM ARGENTINA E URUGUAI NO ROTEIRO

Após muita expectativa, os agentes de viagem já podem descruzar os dedos e relaxar um pouco mais: o governo federal finalmente liberou a realização de cruzeiros marítimos, a partir de 1º de novembro, mas só em território nacional. Devido à epidemia de covid-19 (que ainda não acabou nem dá sinais mais seguros disso) estão fora de roteiro as viagens para Argentina e Uruguai, tão ao gosto de numerosos brasileiros. A autorização vem mediante publicação (dia 2) da Portaria 657, no Diário Oficial da União, que efetua mudanças nas restrições excepcionais e temporárias de entrada no Brasil durante a pandemia.

Espera-se agora a publicação de um ato específico da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que se defina os requisitos gerais para o transporte dos passageiros. A temporada vai de novembro de 2021 e abril de 2022 e, segundo prognósticos do setor, deverá gerar em torno de 35 mil empregos e injetar R$ 2,5 bilhões na economia nacional. Conforme o Ministério do Turismo, os brasileiros que embarcarem se juntarão a cerca de 2 milhões de pessoas que já navegam pelo mundo desde que os chamados “resorts flutuantes” retomaram suas operações em cerca de 50 países.  Os R$ 2,5 bilhões esperados representam um aumento de 11% em relação à receita dacurta temporada 2019-2020.

PROTOCOLOS

Os cruzeiros estavam suspensos no Brasil desde o início da pandemia, em março de 2020, gerando prejuízo aos ramos de atividades a eles diretamente ligados. Além de terem de cumprir a norma com protocolos sanitários a ser editada pela Anvisa, os promotores das viagens deverão respeitar os protocolos das cidades onde os navios atracarem. Sete embarcações com mais de 566 mil leitos (35 mil a mais do que na última temporada) cumprirão 130 roteiros com 570 escalas no Rio de Janeiro, Santos, Salvador, Angra dos Reis, Balneário Camboriú, Búzios, Cabo Frio, Fortaleza, Ilha Grande, Ilhabela, Ilhéus, Itajaí, Maceió, Porto Belo, Recife e Ubatuba.

Três semanas antes da liberação dos cruzeiros marítimos, pelo governo federal,  a Anvisa (www.gov.br/anvisa/pt-br) havia se posicionado contra. Em 10 de setembro, a agência informou que as evidências sanitárias e epidemiológicas ainda não apontavam a retomada como uma ação segura, o que gerou preocupação sobretudo em parte do setor turístico que fatura com este segmento. Além do site da Anvisa, o interessado no assunto pode acessar a Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (www.abremar.com.br).