ROMA ASSUME O MINISTÉRIO DA CIDADANIA E DEVE SEGUIR COMO LIDERADO DE ACM NETO

ROMA ASSUME O MINISTÉRIO DA CIDADANIA E DEVE SEGUIR COMO LIDERADO DE ACM NETO

A posse do deputado João Roma no Ministério da Cidadania na próxima quarta-feira (24) será um evento de enorme importância política para a Bahia. Mais de 100 prefeitos já confirmaram presença e é provável que o Prefeito de Salvador, Bruno Reis, também esteja presente. O ex-prefeito ACM Neto mantém a narrativa do rompimento, mas seu grupo político parece unido ao novo ministro e na sua posse provavelmente estarão presentes os deputados Paulo Azi, Elmar Nascimento e outros ligados a ele.

O Republicanos, partido de Roma, não esconde de ninguém que é liderado por Neto e seu presidente, o deputado federal Márcio Marinho, disse com todas as letras, em entrevista ao jornal Tribuna da Bahia, que é “zero a chance do Republicanos estar em campo oposto a ACM Neto” e afirmou que o interesse do partido é estar na chapa majoritária que vai concorrer ao governo do Estado e terá ACM Neto na cabeça.

Ora, mais claro do que isso só desenhando. João Roma e o Republicanos permanecem na base de apoio político do presidente do DEM e quer estar presente na chapa majoritária do partido, o que significa que Bolsonaro estará apoiando a chapa.

ACM Neto é um político inteligente e afastou-se do palco  momentaneamente não só para fugir do desgaste que passou com o ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia, como também porque não há como aliar-se imediatamente com João Roma, pois isso deixaria óbvio sua aliança com o Presidente da República. Além disso, a narrativa de que houve rompimento entre Roma e o ex-prefeito é cômoda para Neto, pois lhe permite ver como Bolsonaro vai se posicionar até o segundo semestre, quando efetivamente começará a campanha, e qual sua força entre os prefeitos e o eleitorado do Estado.

Tudo indica que tudo continua como dantes no quartel de Abrantes e o ex-prefeito ACM Neto segue como principal líder político do Republicanos e do novo ministro que, a depender do seu desempenho, pode se tornar um cabo eleitoral precioso para o ex-prefeito.