O RESULTADO DAS ELEIÇÕES EM FEIRA E CONQUISTA VAI DEFINIR O CACIFE DE RUI COSTA E ACM NETO

O RESULTADO DAS ELEIÇÕES EM FEIRA E CONQUISTA VAI DEFINIR O CACIFE DE RUI COSTA E ACM NETO

O resultados das eleiçòes em Salvador já era esperado. A vitória de Bruno Reis na capital já estava precificada e não houve surpresa no mapa político do Estado. Foi uma vitória incontestável do Prefeito ACM Neto. Mas Salvador tem apenas 19% do eleitorado do estado e, embora seja a caixa de ressonância política da Bahia, nunca foi decisiva na hora da contagem de votos para governador. Por isso, o batalha política entre o governador Rui Costa e o Prefeito ACM Neto vai se dar nas duas cidades do interior baiano que vão disputar o segundo turno: Feira de Santana e Vitória da Conquista.

As duas cidades tem cerca de 6% da população do Estado, três vezes menos que a capital, mas, diferente de Salvador que se volta para o mar e para o mundo, são metrópoles regionais voltadas para o interior e polos de disseminação da política e da economia em dezenas de cidades. A vitória em  Feira de Santana e Vitória da Conquista fortalecerá sobremaneira o PT ou o DEM e darão a eles forca política para se contrapor ao rolo compressor político que foi formado no interior pelo PSD, do senador Otto Alencar, e pelo PP, do vice-governador João Leão.

Aliás, não se pode deixar de levar em conta que esses dois partidos saíram vitoriosos nas eleições e venceram em metade dos municípios da Bahia. Claro existe, especialmente por conta da luta pela Presidência da Assembleia que parece ser o pivô de uma disputa entre os dois partidos, a possibilidade de uma luta política entre eles, mas, não há dúvida de que unidas as duas legendas fazem a  balança política do estado pender para um lado.

E é por isso, por ser capaz de mostrar que Rui ou Neto tem ascendência no eleitorado da 2ª e da 3ª maiores cidades da Bahia, que tem importância política maior do que os votos que elas podem gerar e podem, portanto, disseminar a força política do vencedor pelo interior, que essa eleição para o segundo turno será fundamental para os dois maiores líderes da política baiana avaliarem sue cacife nas eleições de 2022. (EP- 23/11/2020)