OLÍVIA VAI RECORRER DA PROIBIÇÃO DE CITAR BRUNO REIS E GEDDEL

OLÍVIA VAI RECORRER DA PROIBIÇÃO DE CITAR BRUNO REIS E GEDDEL

A coligação ‘Salvador não pode parar’, liderada pelo candidato a prefeito Bruno Reis (DEM), conseguiu, nesta sexta-feira (16/10), uma liminar na Justiça que suspende a veiculação de uma peça da propaganda eleitoral de Olívia Santana (PCdoB), da coligação ‘Experiência, Amor e Raça’. No material suspenso, a candidata fala sobre a relação de Bruno com Geddel Vieira Lima, condenado por lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Em uma nota conjunta, Olívia e os comitês estadual e municipal do PCdoB condenaram a ação do candidato do DEM, considerada como uma forma de censura, e garantiram que vão recorrer. “Não se pode coibir a liberdade de expressão assegurada pela Constituição apenas porque um grupo político impõe, sem nenhum tipo de restrição, apenas a sua versão dos acontecimentos”, diz um trecho do posicionamento.

Leia a íntegra da nota:

O DEM QUER CENSURAR A VERDADE SOBRE AS RELAÇÕES DE BRUNO REIS E GEDDEL

Como sempre acontece em campanhas eleitorais na Bahia, o partido do prefeito ACM Neto termina por censurar peças de campanha dos adversários pela única razão de o grupo político herdeiro da ditadura não aceitar que as verdades sejam ditas. Acostumados ao monopólio da comunicação no estado, em que o controle de TVs, jornais, rádios e sites pela família impede o contraditório, de modo que só se pode elogiar o chefe e proibir qualquer tipo de crítica, eles não toleram a chegada a campanha eleitoral, quando os partidos de oposição podem, pelo menos neste período, dar uma versão diferente da estabelecida pelo império midiático a serviço do DEM. Até mesmo os debates políticos entre candidatos foram cancelados em Salvador.

É neste contexto que o DEM conseguiu, liminarmente, uma decisão de suspender a continuidade de inserção de uma peça de campanha que nem tinha previsão de ser repetida, na medida em que na grade só havia uma única inserção programada. E a peça diz, rigorosamente, a verdade sobre as relações de Bruno Reis com Geddel Vieira Lima. A peça traz o seguinte: “Foi Geddel quem indicou Bruno para vice-prefeito de ACM Neto. Em 2017 Geddel foi preso e Bruno saiu em defesa do padrinho político”. E conclui dizendo que o que está dito não é invenção, que são fatos jornalísticos e que o eleitor pode pesquisar na internet. Não há nada que não seja a mais pura verdade nas afirmações contidas na propaganda, que ainda afirma, ao final, que é a livre escolha do eleitor que vai tirar as consequências do que foi exposto.

Não se pode coibir a liberdade de expressão assegurada na Constituição, apenas porque um grupo político impõe sem nenhum tipo de restrição apenas sua versão dos acontecimentos. Quando colocamos em nosso programa de governo que construiremos uma cidade mais democrática e mais humana, tem a ver também com isso, de Salvador se libertar, de vez, desse ranço autoritário de uma família que teima em não aprender a conviver com a pluralidade de ideias, de não aceitar a expressão do contraditório entre concepções diferentes.

Vamos tomar as medidas jurídicas cabíveis para que a Justiça impeça que esse tipo de absurdo não aconteça mais na Bahia.

Salvador 16/10/2020
Olívia Santana – Candidata a prefeita de Salvador
Partido Comunista do Brasil – Comitês Municipal e Estadual