PREFEITURA INICIA REQUALIFICAÇÃO DA PONTA DO HUMAITÁ NESTA QUARTA (04)

PREFEITURA INICIA REQUALIFICAÇÃO DA PONTA DO HUMAITÁ NESTA QUARTA (04)

 

Dando continuidade às ações comemorativas pelo aniversário de 469 anos de Salvador, a Prefeitura autoriza nesta quarta-feira (04), a partir das 18h, o início das obras de requalificação da Ponta de Humaitá e da Colina Sagrada, com projetos elaborados pela Fundação Mario Leal Ferreira. A solenidade de assinatura das ordens de serviço pelo prefeito ACM Neto acontece na Rua Boa Viagem, s/n, em Monte Serrat (Ponta de Humaitá).

As obras em Humaitá têm previsão de 90 dias, sob a responsabilidade da Superintendência de Conservação e Obras Públicas (Sucop). O investimento é de R$ 618.278,78 e as intervenções envolvem recuperação e pavimentação de toda a área, melhoria do estacionamento, construção de nova quadra esportiva em substituição da atual, recomposição do gramado e dos passeios. Também estão previstas a remoção de uma edificação construída para dar apoio ao cais (o módulo de bilhetagem), por estar em desacordo com o paisagismo local, e melhorias da área de contemplação do pôr do sol.

Vale lembrar que a área é tombada pelo Iphan e possui extrema beleza natural. Por isso, o projeto de requalificação precisou ser, ao mesmo tempo, simples e também cuidadoso com o grande impacto a partir da valorização do patrimônio histórico e geografia do local. As obras irão envolver uma área de 12 mil metros quadrados. Na área mais próxima ao Parque Regional de Manutenção da 6ª Região Militar, localizada na Rua Rio São Francisco, estão previstas a recuperação da quadra, implantação de sanitários e áreas destinadas a uma roda de capoeira e de contemplação.

O projeto prevê também recuperação de pisos do entorno da Igreja de Monte Serrat, instalação de rampas para cadeirantes, colocação de guarda-corpo ao longo da balaustrada e instalação de mobiliário urbano. O píer instalado na área não está incluído no projeto porque implicaria na inclusão de aspectos náuticos e manifestações da Marinha, fugindo ao escopo inicial da intervenção urbanística.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.