quarta, 22 de maio de 2024
Euro 5.553 Dólar 5.1251

CENTRO CULTURAL SOLAR FERRÃO INAUGURA EXPOSIÇÃO QUE RESSALTA LUTA DOS POVOS INDÍGENAS BRASILEIROS

LUIZA SANTOS - 22/04/2024 18:09

O Centro Cultural Solar Ferrão, instituição administrada pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC), unidade vinculada à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (Secult-Ba), apresenta, nesta terça-feira (23), às 17, a exposição Hãhãw: Arte Indígena Antirracista, uma mostra de arte brasileira feita por 26 artistas de origem indígena, com a curadoria de Yacunã Tuxá e Ziel Karopoto.

As obras apresentadas variam entre objetos, pinturas, desenhos, esculturas, vídeos e performances. Adriana Cravo, gestora e curadora do Centro Cultural Solar Ferrão, celebra a abertura da exposição. “A inauguração desta exposição não só ressalta a herança artística dos povos indígenas do Brasil mas, também, proporciona o acesso a este universo onde a coletividade e o compartilhamento são valores fundamentais. Que possamos caminhar juntos, construindo pontes de entendimento e celebrando a riqueza da multiplicidade de culturas que compõem nossa sociedade”.

“Os visitantes poderão ouvir o ressoar da voz de 26 artistas indígenas que, mesmo sendo de diferentes povos e regiões do país, caminham alinhados pelo cenário da arte brasileira, propondo uma revisão histórica e estética mas que, acima de tudo e através de suas linguagens artísticas diversas, nos dão o respiro necessário para sonhar um outro céu”, ressalta Yacunã Tuxá, curadora da exposição.

Na língua Patxohã, Hãhãw representa “terra” e “território”. Mais que isso, é a essência da existência dos povos originários. Hãhãw se contrapõe à narrativa que dita a construção do Brasil como uma nação miscigenada, e se apresenta como uma manifestação contra o etnocídio, genocídio e racismo sofridos pelos povos indígenas no Brasil. A Hãhãw é fruto do projeto de pesquisa Culturas de Antirracismo na América Latina (CARLA), uma colaboração entre a Universidade de Manchester e a Universidade Federal da Bahia, e da consolidação de uma rede de diálogo e pesquisa entre artistas indígenas de diferentes povos e regiões que estão interessados em construir uma luta antirracista através da arte.

Foto: Divulgação

Copyright © 2023 Bahia Economica - Todos os direitos reservados.