sábado, 13 de julho de 2024
Euro 5.9574 Dólar 5.4654

SALVADOR DEBATE O FUTURO DA CAPOEIRA NO BRASIL DURANTE O 5º REDE CAPOEIRA

Bruno Alves - 11/01/2024 17:08

Com presença confirmada da ministra Margareth Menezes, evento acontece de 24 a 27 de janeiro de 2024 com a proposta de debater publicamente um novo olhar para a capoeira no Brasil

Os 14 mais antigos mestres de capoeira brasileiros em exercício da profissão estarão em Salvador entre os dias 24 e 27 de janeiro, quando a capital baiana recebe o maior evento de capoeira do país, o 5º Rede Capoeira, com patrocínio master do Instituto Cultural Vale (@institutoculturalvale), via Lei Federal de Incentivo à Cultura, do BNDES e da Prefeitura Municipal de Salvador.

Os mestres octogenários protagonizam o momento mais esperado do evento, quando receberão uma honraria inédita, com a presença de autoridades, como a Ministra da Cultura Margareth Menezes, pela sua importância como heróis populares no trabalho de disseminação da capoeira pelo mundo.

Serão homenageados os baianos Mestre João Grande, Mestre Acordeon, Mestre Boca Rica, Mestre Brandão, Mestre Felipe de Santo Amaro, Mestre Olavo, Mestre Pelé da Bomba, Mestre Brasília, Mestre Virgílio, Mestre Cafuné, Mestre Carcará, Mestre Curió, o carioca Mestre Celso e o sergipano Mestre Sombra.

O 5º Rede Capoeira é uma realização do Projeto Mandinga (@projetomandinga), com todas as suas atividades gratuitas e realizadas na Praça da Cruz Caída, Praça da Sé e Espaço Cultural da Barroquinha. (Conferir abaixo programação completa)
A cerimônia dedicada aos mestres é um ato simbólico da principal proposição do evento, de convidar todos a uma nova era de reconhecimento à capoeira no Brasil como arte, cultura e ferramenta pedagógica, um olhar que ainda é limitado pelo racismo estrutural persistente no país.

A homenagem acontece no dia 24 de janeiro (quarta-feira), como parte da programação de abertura do evento, no Espaço Cultural da Barroquinha.

“Os nossos mestres de capoeira octogenários são detentores de um conhecimento que é só deles, são história viva, donos da vivência e sabedoria de quem divulgou no mundo a cultura afro-brasileira, abrindo arduamente, a partir dos anos 60, caminhos para os capoeiristas que vieram depois. Responsáveis pela internacionalização da capoeira, vivem sem o amparo social do seu país, que é um reflexo do olhar preconceituoso da capoeira e de toda cultura preta no Brasil”, aponta Mestre Sabiá, idealizador e coordenador do Rede Capoeira desde a sua primeira edição.

PROGRAMAÇÃO – A programação do 5º Rede Capoeira abraça temas e personagens que fundamentam a trajetória da capoeira e a representam na sua grandiosidade, não só como uma luta que chegou no Brasil com os escravos africanos e ganhou adeptos no mundo todo, mas também como referência pedagógica, de inclusão social, ferramenta agregadora de cultura e arte, símbolo nacional e maior veículo de divulgação da língua portuguesa no mundo.

Destaque do primeiro dia do evento, 24 de janeiro, a Mesa de Abertura terá como tema “Heróis populares – Os Mestres” e, entre os convidados, o biólogo e neurocientista brasiliense, também capoeirista, Sidarta Ribeiro. “O convite do Rede Capoeira é de reflexão e ação para que a Bahia e o Brasil encerrem um ciclo extremamente duro e preconceituoso com os grandes e antigos mestres de capoeira brasileiros”, destaca Mestre Sabiá, que integra a mesa ao lado de Sidarta e do poeta e estudioso da cultura baiana, James Martins.

João Grande e João Pequeno – Uma das presenças mais esperadas no evento é a do Mestre João Grande, dono de uma história grandiosa na capoeira. Ele conduz, no dia 25 (quinta-feira), às 18h30, na Praça da Sé, a “Oficina Mestre João Grande”, que será acompanhada de uma Roda de Viola e um show comemorativo, com a promessa de se tornar um momento memorável para os participantes. Às 17h30, a “Oficina e Roda Capoeira Angola” será ministrada pelo Mestre Jogo de Dentro, que resgatará o Legado do Mestre João Pequeno.

Redutos da Capoeira – No mesmo dia, 25 (quinta-feira), às 9h30, no Espaço Cultural da Barroquinha, acontece o painel “Redutos da Capoeira: Bahia, Pernambuco e Rio de Janeiro”, sobre os redutos, isto é, os locais de refúgio e abrigo, que são as Casas da Capoeira no Brasil, com os historiadores Mônica Beltrão, Antônio Liberac e Jorge Columá.

A noite do dia 25 será encerrada pela Festa de João, com samba de chula e show do cantor, músico, capoeirista e compositor Tonho Matéria.

Internacionalização da Capoeira – A sexta-feira (26) vai dar lugar para a roda de conversa “Processo de Internacionalização da Capoeira” com Mestre Jelon, Mestre João Grande, Mestre Amen e Mestre Acordeon, ícones da história viva da capoeira, reunidos no Espaço Cultural da Barroquinha, às 15h. Já às 18h, mais um grande encontro, desta vez entre os Mestres Felipe, Brandão, Carcará, Adó, Ivan e Góes, acontece na Praça da Sé para falar dos “Legados do Recôncavo”. De lá, às 20h30, sai um Cortejo até o Terreiro de Jesus (Pelourinho) comandado por Mestre Lua Rasta, precursor da capoeira na Suíça, e seus convidados.

Oficina de Berimbau e Pandeiro – Ainda na sexta-feira (26), 9h30, na Praça da Sé, o evento promove uma “Oficina de Berimbau e Pandeiro”, por meio da qual representantes da Fundação Mestre Bimba ensinarão os principais toques da Capoeira Regional em torno desses instrumentos tão simbólicos. Às 16h30, começa uma nova oficina e roda de capoeira, só que desta vez com os Mestres Lobão e Acordeon. A partir das 19h30, começa o show das Ganhadeiras de Itapuã, grupo que ressalta, em forma de música, dança e teatro, uma combinação única de tradição e contemporaneidade.

Mestre Bimba vive – Com a missão de honrar o legado do grande Mestre Bimba, Mestre Nenel, seu filho, abre a programação do último dia do Rede Capoeira, sábado (27), com a oficina “É Regioná”. Ao seu lado, Mestre Cafuné forma com ele uma dupla de peso quando o assunto é princípios da Capoeira Regional. A atividade será às 10h, no Espaço Cultural da Barroquinha, onde às 11h30 tem início a “Oficina de Samba de Roda” com Mestra Nalvinha. Filha de Mestre Bimba, ela irá transmitir sua arte e sua bagagem com a experiência de quem é sambadeira desde os sete anos de idade.

No mesmo dia (27), ocorre a realização da grande final do campeonato mundial Estação Paranauê, às 16h na Praça da Cruz Caída. O encerramento dos dias luminosos dedicados à essa arte, dança e luta, que é o forte cartão postal do Brasil, termina com os shows de Gerônimo e Banda Viola de Doze na Praça da Sé.

Foto/Reprodução: Álvaro Villela/ Arquivo Rede Capoeira Estação Paranauê

Copyright © 2023 Bahia Economica - Todos os direitos reservados.