sábado, 22 de junho de 2024
Euro 5.8473 Dólar 5.4623

PREFEITURA QUER CRIAR MODAL QUE LIGA O BRT DE SALVADOR AO AEROPORTO; SAIBA MAIS

João Paulo - 05/01/2024 07:01 - Atualizado 05/01/2024

A prefeitura de Salvador tem planos de instalação de um BRS (serviço rápido de ônibus) nas regiões da Orla Atlântica e da Avenida Dorival Caymmi, a partir do já instalado corredor de BRT (ônibus de trânsito rápido) no bairro da Pituba, até o Aeroporto Internacional Luís Eduardo Magalhães. Segundo reportagem do Jornal A Tarde a Secretaria de Mobilidade (Semob), já iniciou os processos de desapropriação, notificando oficialmente todos os proprietários de imóveis que precisarão ceder algum espaço para a passagem das vias exclusivas para ônibus do BRS. O Secretário municipal de Mobilidade, Fabrizzio Müller, explicou que as desapropriações são poucas e servirão para ampliar as vias da orla, de duas faixas de pista para três.

“As poucas desapropriações que têm são exatamente naquele trecho do restaurante Ki-Mukeka, mas não tem impacto nenhum na operação deles. São pedaços pequenos de terrenos, em regra na frente das propriedades. A gente precisa de três faixas de pista e, nessa região da orla, na maior parte, temos apenas duas”, justificou o titular da Semob em entrevista ao Jornal. O projeto não é uma grande novidade. A gestão municipal já falava da possibilidade em 2017, sob o comando do ex-prefeito ACM Neto (União Brasil). Mas foi em 2021, no primeiro ano da administração de Bruno Reis (União Brasil), que a ideia começou a ser tocada com mais firmeza pela prefeitura.

Parte das intervenções que a atual gestão do município fez e continua fazendo na região da Orla Atlântica já estão adaptadas para a chegada do BRS, que ligará a Pituba ao Aeroporto de Salvador. Os veículos utilizados nas vias exclusivas devem ser os mesmos elétricos do BRT, dando uma ideia de continuidade entre os sistemas. “A obra de Patamares já está sendo preparada para receber o corredor do BRS, que é um serviço de ônibus com faixas exclusivas. Estamos discutindo para manter os ônibus no padrão do BRT e, em alguns lugares, colocar estações, para a gente conseguir prever o pré-embarque”, revelou Müller.

O que é cada coisa

A quantidade de siglas que estão surgindo no debate sobre mobilidade em Salvador pode confundir a população. VLT, BRT e BRS são coisas diferentes e estão sendo elaboradas, pelas gestões municipal e estadual, para modernizar e interconectar o transporte público da cidade. O VLT, que é o veículo leve sobre trilhos, como o nome já diz, se trata de um modal de transporte à base de trens. Urbanos, eles costumam estar na superfície durante seu percurso inteiro, se diferenciando decisivamente do metrô, que pode ser subterrâneo. Mais barato que o metroviário, o modelo foi escolhido pelo governo de Jerônimo Rodrigues (PT) para atender a região do Subúrbio Ferroviário, substituindo os antigos trens da região.

O BRT, por outro lado, é um sistema fechado de ônibus, com vias construídas exclusivamente para a passagem dos grandes veículos automotores. A prefeitura de Salvador já construiu parte do projeto, que hoje liga o bairro do Itaigara ao Iguatemi pela Avenida ACM. A ideia, porém, é levar o modal à Estação da Lapa, passando pela Avenida Vasco da Gama. Em Salvador, para o funcionamento do BRT, a prefeitura construiu diversos elevados em uma região movimentada da cidade, o que motivou diversas críticas. Hoje, os ônibus elétricos do sistema também circulam em linhas externas ao circuito fechado, em vias abertas no Caminho das Árvores e na Pituba.Já o BRS é até parecido com o BRT, sendo também um sistema de ônibus, mas totalmente aberto, sem a construção de vias particulares para a circulação dos veículos. Nesse caso, haverá apenas a destinação específica de uma faixa da pista para a passagem do modal.

Foto: Bruno Concha | Secom PMS

Copyright © 2023 Bahia Economica - Todos os direitos reservados.