segunda, 15 de abril de 2024
Euro 5.5077 Dólar 5.1905

ARMANDO AVENA – O DESEMPENHO DA ECONOMIA EM  2023

Redação - 21/12/2023 08:53 - Atualizado 21/12/2023

Sob o ponto de vista econômico, o balanço do ano de 2023 é muito positivo. Para começar, o PIB vai crescer 3,2%, desempenho superior a quase todos os países desenvolvidos e em desenvolvimento, com exceção dos asiáticos. Com isso, o Brasil voltará a ser a 9ª maior economia do mundo, juntinho da Itália e acima do Canadá. A cotação do dólar caiu 10% em relação ao início do ano e a taxa de juros (Selic) se reduziu em quase 15%. A inflação oficial deverá fechar o ano em 4,5%, abaixo do teto da meta e todas as agências de risco elevaram a nota do Brasil. E a taxa de desemprego fecha o ano em 7,7%, o menor contingente de pessoas desempregadas desde maio de 2015. Os dados são do IBGE.

Há, é verdade, a questão fiscal, pois o arcabouço fiscal do Ministro Fernando Haddad está baseado no aumento de receita e tudo indica que a previsão de déficit zero não vai se concretizar, embora a aprovação da medida provisória das subvenções nas comissões tenha sido uma vitória do Ministro que, assim, vai garantir uma receita adicional de quase R$ 40 bilhões.  Note-se que a impossibilidade de alcançar a meta de déficit zero não paralisa a economia, mas incide sobre o governo que vai ter de contingenciar as despesas ou gerar novas receitas.

 Há ainda a questão do investimento privado que ainda não conseguiu deslanchar, apesar do crescimento do PIB. A taxa de investimento em relação ao PIB foi de 16,6%,  no terceiro trimestre de 2023,  quando no mesmo período do ano anterior estava em 18,3%. Isso pode ser creditado a alta taxa de juros e o investimento deve crescer à medida que a redução dos juros for sendo transferida para a economia.

 De positivo também há que registrar a aprovação da reforma tributária, a medida econômica mais importante para o país desde o Plano Real. O Brasil que tinha uma lei tributária das mais retrógradas do mundo, passa a ter apenas um imposto de valor agregado, dividido em dois, um federal e outro no âmbito de estados e municípios. Além disso, a cobrança de impostos foi racionalizada. Acabou, por exemplo,  os tributos em cascata, que faziam com que um único produto fosse tributado várias vezes no processo de produção. E o imposto será cobrado agora no destino, no local onde as pessoas consomem e não no local onde o produto é feito, o que é mais adequado e acaba com a guerra fiscal. É verdade que a reforma será gradual e levará alguns anos até completar sua aplicação, mas é assim mesmo pois mudanças desse tipo têm de ser adotadas gradualmente para não desestruturar o sistema. Houve exceções injustificáveis, mas o Congresso reduziu o número delas, e não chegam a comprometer a essência da reforma. Embora leve algum tempo para ser implementada, a reforma tributária será um estímulo ao investimento de longo prazo e vai dar mais competitividade à economia brasileira.

 O fato é que o ano de 2023 foi bom para a economia, um ano de muitos ajustes na pauta econômica e de bons resultados nos índices. Os fundamentos da economia brasileira estão ajustados, restando ver como se comporta a política fiscal e esperar que o Banco Central reduza os juros de forma mais acelerada para garantir o crescimento do PIB em 2024.

                    AS MAIORES CIDADES DO NORDESTE

Em termos econômicos, as duas maiores cidades do Nordeste, excluindo-se as capitais, são Camaçari, com um PIB de R$ 33,9 bi, e Feira de Santana, com R$ 17,2 bi. As três cidades seguintes que completam o top 5 são de Pernambuco:  Jaboatão dos Guararapes, Ipojuca e Cabo de Santo Agostinho. Entre as 15 principais, Bahia e Pernambuco têm cinco, Ceará tem três, Paraíba e Rio Grande do Norte tem uma. Três cidades ganham destaque pelo impressionante crescimento registrado entre 2010 e 2023. Goiana, em Pernambuco, onde foi instalada a fábrica de automóveis Jeep; São Gonçalo do Amarante, no Ceará, com fábricas e produção de energia eólica; e Luiz Eduardo Magalhães, polo do agronegócio nordestino.

                                            BOAS FESTAS

“A Criança Nova que habita onde vivo / Dá-me uma mão a mim / E outra a tudo que existe/ E assim vamos os três pelo caminho que houver,/ Saltando e cantando e rindo/ E gozando o nosso segredo comum / Que é saber por toda a parte/ Que não há mistério no mundo / E que tudo vale a pena.”

Com os versos de Fernando Pessoa, no Poema do Menino Jesus, desejo aos meus leitores um Feliz Natal e um Ano Novo de paz e alegria.  Informo ao leitor que vou tirar umas pequenas férias nas duas próximas semanas, mas estarei de volta em 11 de janeiro. No mais, é esperar que 2024 seja um ano em que se ponha fim às guerras e que o Brasil possa encontrar o rumo do desenvolvimento.

Publicado  no jornal A Tarde em 21/12/2023

Copyright © 2023 Bahia Economica - Todos os direitos reservados.