ELEIÇÕES PARA GOVERNADOR DA BAHIA: O QUE VEM POR AÍ

ELEIÇÕES PARA GOVERNADOR DA BAHIA: O QUE VEM POR AÍ

A semana que passou teve dois fatos importantes com efeitos claros na corrida eleitoral para o governo do Estado. Um deles foi a tentativa de acordo capitaneada por Luciano Bivar, presidente do União Brasil, para apoiar formalmente o PT. O acordo  foi inviabilizado, segundo a imprensa nacional, por ACM Neto, e outros caciques como Ronaldo Caiado e Mendonça Filho, que preferem o partido neutro nas eleições, deixando cada diretório estadual optar pelo que for mais conveniente.

ACM Neto nega, mas colocou na mesa, não se sabe se pra valer  ou como uma forma de inviabilizar o acordo, a retirada da candidatura de Jerônimo Rodrigues como condição para que o União Brasil apoiasse Lula. Naturalmente, Wagner e Rui Costa resistiram e tudo voltou a ser como antes.

O outro fato foi o sucesso da convenção do PT que homologou o nome de Jerônimo Rodrigues como candidato ao governo da Bahia e mostrou que o partido está vivo e unido. O PT mostrou força, reuniu milhares de pessoas e uma militância aguerrida, mostrando que  vai jogar todas as suas fichas na candidatura de Jerônimo.

Agora são as urnas que vão decidir o futuro da eleição. E vem pela frente, a julgar pelo ânimo das lideranças envolvidas, uma campanha eleitoral violenta, especialmente na televisão, com dois candidatos, João Roma e Jerônimo Rodrigues, apontando todas as armas para ACM Neto, na tentativa de minar sua liderança que neste momento é incontestável.

O tom da campanha será dado já no próximo dia 7, domingo, no debate da TV Bandeirantes que terá, ao que parece, a presença dos principais candidatos. Depois, a campanha eleitoral estará aberta e logo virá a propaganda eleitoral gratuita, a partir do dia 26 de agosto, e aí se dará o grande embate.

Jerônimo Rodrigues tem a tarefa hercúlea de tornar-se conhecido e de colar o nome de Lula à sua imagem, e ainda não está claro qual será a postura do ex-presidente, que provavelmente se distanciará da campanha baiana para não perder o voto casado com ACM Neto.  Roma terá a difícil tarefa de tornar-se conhecido da população e de bater, ao mesmo tempo, no PT e em ACM Neto (mas nem tanto para não inviabilizar um acordo se houver segundo turno) com o pouco tempo de TV que terá à sua disposição.

Já ACM Neto terá lutar para manter sua liderança e vai andar no fio da navalha, com o PT intrigando-o com Lula ( e o vídeo em que ele promete dar uma surra no ex-presidente vai ter todo dia) e ele sem sequer poder atacar o candidato a presidente do PT, sob pena de perder o voto do eleitor que deseja eleger a chapa Lula/Neto.

Em resumo: nessa campanha vai ter de tudo, menos tédio. (EP – 01/08/2022)