BITCOIN VOLTA A PASSAR DE US$ 30 MIL

BITCOIN VOLTA A PASSAR DE US$ 30 MIL

O bitcoin volta a operar em alta nesta sexta-feira (13), voltando a ultrapassar os US$ 30 mil, acompanhando a recuperação dos mercados de ativos tradicionais. No ano, no entanto, a criptomoeda ainda acumula queda de mais de 30%, segundo dados da CoinDesk. Desde a sua maior cotação, em novembro do ano passado (US$ 69 mil), a perda é de mais de 50%. Na terça-feira, o bitcoin caiu abaixo de US$ 30 mil, chegando aos US$ 29.764, em seu sexto dia de negócios seguido de baixa.

As cotações das moedas digitais têm por natureza uma variação muito intensa das cotações. E outras criptomoedas, como Ethereum, Benence e Solana, também perderam valor nas últimas semanas. A cotação das criptomoedas tem acompanhado a queda de ativos de maior risco, como ações e papéis de empresas de tecnologia. Os investimentos de maior risco e de renda variável estão sendo afetados pela perspectiva de inflação persistente nos Estados Unidos, o que pressiona o Federal Reserve a aumentar juros de forma mais agressiva.

O Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) elevou a taxa básica de juros para o intervalo entre 0,75% e 1% — na maior alta em 22 anos e a expectativa é que novas elevações serão feitas nos próximos meses. Juros mais altos nos EUA tornam os investimentos em títulos do tesouro norte-americano (treasuries) mais rentáveis, o que reduz a procura por ativos de maior risco e estimula a migração de capital para ativos considerados mais seguros. O próprio dólar tem ganhado força frente a outras divisas. E com o fortalecimento da moeda, as criptomoedas também tendem a enfraquecer.

A tendência afeta ainda os títulos das empresas de tecnologia, cujo desempenho foi beneficiado pelas políticas monetárias de juros baixos durante a pandemia. O índice Nasdaq, que reúne empresas do setor, caiu 1,5% na semana passada e perdeu 22% no acumulado do ano.

Foto: divulgação