ECONOMISTA PROPÕE REDUZIR O PERCENTUAL DE ÁLCOOL NA GASOLINA, PARA ENFRENTAR A CRISE DE COMBUSTÍVEIS

ECONOMISTA PROPÕE REDUZIR O PERCENTUAL DE ÁLCOOL NA GASOLINA, PARA ENFRENTAR A CRISE DE COMBUSTÍVEIS

O economista Armando Avena disse, no seu artigo semanal no jornal A Tarde, que uma das formas de enfrentar os constantes aumentos no preço da gasolina seria reduzir o percentual de etanol acrescentado à gasolina.

“Se esse percentual cair de 27% para 15% ou menos, a oferta vai aumentar muito e o preço do etanol nas bombas vai cair, abrindo uma alternativa para o consumidor”, disse o economista.

Segundo Avena, a adição de  etanol na gasolina foi um lobby de usineiros e distribuidores que com isso vincularam seu preço ao petróleo.  O etanol é um produto nacional,  quando passou a ser adicionado a gasolina, seu preço foi vinculado  ao petróleo, uma commodity cotada internacionalmente. E assim, quando o petróleo sobe, o etanol também sobe.

Avena não crê que isso seja revisto, pois o lobby do setor é tão forte que conseguiu tornar lei a adição de etanol à gasolina. Recentemente, um projeto de lei cujo relator foi o senador Otto Alencar ia na mesma direção, com o objetivo de baratear o álcool combustível. O projeto foi aprovado, autorizando os postos de combustíveis a comprar álcool combustível (etanol hidratado) diretamente de produtores e importadores, mas a Câmara modificou o projeto obrigando a que a venda fosse através de distribuidora.

Veja o artigo de Armando Avena aqui.