VENDAS DO VAREJO BAIANO RECUAM DE FEVEREIRO PARA MARÇO, DIZ IBGE

VENDAS DO VAREJO BAIANO RECUAM DE FEVEREIRO PARA MARÇO, DIZ IBGE

Em março de 2022, as vendas do comércio varejista na Bahia recuaram frente ao mês anterior (-1,2%), após terem registrado dois crescimentos seguidos nessa comparação, que não leva em conta influências sazonais (3,6% de dezembro/21 para janeiro e 3,1% de janeiro para fevereiro). Com esse resultado negativo, o volume de vendas na Bahia, em março de 2022, estava ainda mais distante do patamar registrado em fevereiro de 2020, antes da pandemia (-6,1%, frente a –5,0% no mês anterior). Os dados são da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), do IBGE.

O desempenho do varejo baiano entre fevereiro e março (-1,2%) foi o 3º pior entre as 27 unidades da Federação, superando apenas os recuos registrados em Amazonas (-3,2%) e Distrito Federal (-1,5%). No Brasil como um todo, as vendas cresceram 1,0%, com altas em 19 estados e estabilidade no Pará (0,0%). Os maiores avanços ocorreram em Goiás (3,0%), Roraima (2,8%) e Pernambuco (2,5%).

Já na comparação de março/22 com março/21, o resultado das vendas do varejo na Bahia foi positivo (5,7%), mostrando a primeira alta após sete quedas consecutivas (recuava mensalmente desde agosto/21) e o maior crescimento para um mês de março em dez anos – desde 2012, quando a variação havia sido de 13,7%.

O resultado do comércio no estado foi melhor que o do país como um todo (4,0%), num mês de crescimento disseminado por 24 das 27 unidades da Federação. As maiores altas, nesse confronto, foram verificadas no Ceará (20,4%), Distrito Federal (19,6%) e Amapá (17,9%), enquanto apenas Amazonas (-6,8%), Sergipe (-4,4%) e Rio de Janeiro (-3,5%) mostraram recuos. A Bahia teve o 12º melhor resultado.

Apesar do avanço de março, as vendas do varejo baiano ainda acumulam queda de 1,9% no primeiro trimestre de 2022, frente ao mesmo período do ano passado. O indicador acumulado no ano se manteve negativo pelo quarto mês consecutivo e mostrou a quinta retração mais profunda dentre os estados.

No Brasil como um todo, o varejo acumula aumento de 1,3% nas vendas, nos três primeiros meses de 2022, com 19 das 27 unidades da Federação em alta, lideradas por Amazonas (13,9%), Roraima (12,2%) e Pará (9,4%). No outro extremo, as maiores quedas ocorrem em Sergipe (-6,8%), Pernambuco (-4,5%) e Paraíba (-3,2%). No acumulado nos 12 meses encerrados em março (frente aos 12 meses anteriores), o varejo baiano segue com leve variação negativa (-0,3%). É também um resultado pior que o nacional (1,9%) e o 18º entre os 27 estados. Espírito Santo (7,7%), Pará (7,4%) e Rondônia (7,3%) lideram entre os avanços, enquanto Sergipe (-5,0%), Tocantins (-4,1%), e Paraíba (-3,8%) mostram as quedas mais intensas.

Foto: divulgação