NEM LULA, NEM BOLSONARO VÃO BATER EM ACM NETO, PELO MENOS POR ENQUANTO

NEM LULA, NEM BOLSONARO VÃO BATER EM ACM NETO, PELO MENOS POR ENQUANTO

Após a definição dos principais candidatos pelos principais partidos, a eleição para governador da Bahia entra em um período de avaliação do potencial de cada chapa. É verdade que apenas a chapa governista está completa, com Jerônimo Rodrigues como candidato a governador, tendo Geraldo Jr. como vice e Otto Alencar disputando o Senado. Nas demais chapas,  de ACM Neto, que tem João Leão como candidato ao Senado, e João Roma, que tem como candidata ao Senado Raíssa Soares, será preciso definir quem será o candidato a vice-governador.

É provável que essa definição não saia por agora, por isso até junho, cada candidato estará correndo o Estado, levando propostas, avaliando seu potencial e divulgando seu nome e seus apoios. Tanto Jerônimo Rodrigues quanto João Roma têm o desafio de se apresentar ao eleitor baiano, já que são pouco conhecidos, e, mais que isso, vincular seus nomes a Lula e a Bolsonaro, respectivamente, mostrando que são eleitoralmente competitivos.

ACM Neto, por outro lado, já é bem conhecido do eleitor, mas tem que espalhar a ideia de que a Bahia pode ter um candidato a governador independente, sem vinculação formal a qualquer candidato. Neto tem um data chave, o dia 18 de maio, no qual os partidos do chamado centro democrático, União Brasil, PSDB e MDB, vão anunciar quem será o candidato a presidente do grupo.

Definido isso, saberemos se o ex-prefeito de Salvador vai assumir claramente o apoio a esse candidato ou, o que é mais provável, se continuará flertando com a possibilidade do eleitor assumir seu nome, ainda que vote em Lula ou Bolsonaro para presidente. Não será uma tarefa fácil, pois a única possibilidade tanto de Jerônimo, quanto de Roma de melhorar suas performances tentando desbancar Neto da liderança nas pesquisas será se Lula ou Bolsonaro ( especialmente Lula) passarem a bater diretamente no ex-prefeito.

Mas isso não vai acontecer. Nenhum dos dois  fará isso explicitamente, pois ambos, Lula e Bolsonaro, têm um segundo-turno pela frente e só queimarão as possibilidades de apoio de ACM Neto se as pesquisas eleitorais mostrarem que seus candidatos, Jerônimo e Roma, estão crescendo nas pesquisas. Por isso, tanto um quanto outro terão que se mostrar viáveis eleitoralmente. Eles poderão bater em Neto e vincular seus nomes aos padrinhos políticos, mas nem Lula nem Bolsonaro vão colocar sua força eleitoral contra o ex-prefeito enquanto não constatarem suas possibilidades eleitorais.

Bater em ACM Neto diretamente será para Lula e para Bolsonaro queimar os navios que poderiam levar a um apoio eleitoral no 4º maior colégio eleitoral do país. E especialmente para Lula, que precisa ter no Nordeste uma frente grande o suficiente para enfrentar a força de Bolsonaro no Sul e Sudeste, é fundamental preservar ACM Neto num primeiro momento. Isso leva a uma constatação: nem Lula, nem Bolsonaro vai bater em ACM Neto nesse início de campanha, por isso Jerônimo vai ter que se apoiar no governador Rui Costa, que é bem avaliado, e Roma vai ter que se virar sozinho. E, no futuro, tudo vai depender da performance de cada um nas pesquisas eleitorais. (EP – 18/o4/2022).