AS CHANCES DE RUI COSTA SER MINISTRO NUM EVENTUAL GOVERNO LULA

Foto: Jonne Roriz/VEJA

Na negociação para a composição da chapa do PT ao governo da Bahia, foi batido o martelo: caso o ex-presidente Lula vença a eleição presidencial, o governador Rui Costa será ministro no novo governo. Não poderia ser diferente, Rui Costa é, no momento, o melhor quadro eleitoral do PT na Bahia, muito bem avaliado nas pesquisas de opinião, o que o coloca como forte candidato a ganhar uma vaga no Senado. Ao trocar um possível mandato de 8 anos no Senado Federal, Rui Costa age como homem de partido e joga na manutenção da aliança partidária que ganhou as últimas eleições na Bahia. Além disso, mantendo-se no cargo de governador da Bahia, se coloca como uma peça fundamental nas eleições, coordenando a campanha de Lula no quarto maior colégio eleitoral do país. Nada mais justo, portanto, que ocupar um posto ministerial de destaque, caso Lula seja eleito.

No entanto, em política, toda posição adotada traz riscos e a opção do governador da Bahia embute essa perspectiva. O maior risco é de uma eventual derrota de Lula na eleição presidencial, o que deixaria o governador da Bahia sem mandato e sem perspectivas de ocupar cargos importantes no governo. Ainda que o candidato do PT lidere com folga as pesquisas eleitorais, essa hipótese não é desprezível. O outro risco, caso Lula vença as eleições, viria do lado ideológico do PT, que não esconde suas diferenças com as teses defendidas por Rui Costa, como a defesa da austeridade fiscal, o apoio às privatizações e as PPPs, a crítica a determinadas posições do governo Dilma e outros temas, que fazem do governador um política moderno, menos apegado às teses da esquerda antiga.

Provavelmente, essas correntes vão se opor a ida de Rui para um ministério de primeira linha e esse será uma dos seus desafios políticos. De todo modo, se Jaques Wagner for eleito governador da Bahia, Costa terá uma posição de força num eventual governo Lula e  mesmo sem essa eleição continuará sendo apoiado por Lula que, se eleito presidente, continuará apoiando os petistas baianos. O problema, e aí está o risco maior, é se Lula não tiver sucesso na eleição à presidência. Se isso acontecer, Rui estará no pior dos mundos.