GOVERNO BOLSONARO CENSUROU NO ENEM QUESTÃO SOBRE VIOLÊNCIA POLICIAL NA BAHIA, DIZ REVISTA

GOVERNO BOLSONARO CENSUROU NO ENEM QUESTÃO SOBRE VIOLÊNCIA POLICIAL NA BAHIA, DIZ REVISTA

As censuras promovidas pelo governo Bolsonaro ao Enem começaram já em 2019. Na edição daquele ano, de acordo com a revista Piauí, 66 questões foram reprovadas por “gerar polêmicas” e atingir tópicos que seriam sensíveis ao presidente e as ideologias que defende. Em 2019, atendendo aos desejos do presidente, o então presidente do Inep, Marcus Vinícius Rodrigues, montou uma equipe para analisar ideologicamente as questões do exame. O grupo, composto por um procurador de Justiça, um diretor do Inep e um ex-aluno de Ricardo Vélez Rodríguez, então ministro da Educação, se reuniu ao longo de dez dias em março de 2019 e usou carimbos de “sim” e “não” para aprovar ou rejeitar questões.

Uma delas falava sobre segurança pública e mencionava, em uma das alternativas de resposta, a violência da polícia na Bahia. Foi censusara por ser “ofensiva à força policial baiana”, apontou o trio de censores. Temas relacionados à Ditadura Militar, feminismo, lutas sociais e desigualdade social foram barrados. Uma questão que apontava problemas na redução da maioridade penal, tema defendido por Bolsonaro naquele ano, também foi reprovada. Ainda de acordo com a revista, diversos poemas e tirinhas, incluindo algumas da Mafalda, também não puderam entrar na prova por “serem polêmicas”.

Foto: divulgação