CONCESSÃO DA FIOL II E III DEVE ACONTECER EM MESMA LICITAÇÃO EM 2022

CONCESSÃO DA FIOL II E III DEVE ACONTECER EM MESMA LICITAÇÃO EM 2022

A criação de um grande corredor logístico para o escoamento de grãos do Centro-Oeste, passando pela Bahia, está mais próxima do que se imagina. Depois de leiloar o trecho 1 da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol 1), que vai ligar Ilhéus a Caetité, o Governo Federal projeta a concessão em um único bloco dos trechos 2 (entre Caetité e Barreiras), 3 (Barreiras a Figueirópolis, em Tocantins) e a Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico). O leilão deve acontecer ainda em 2022, de acordo com o Ministério da Infraestrutura.

O engenheiro Marcello Costa, secretário Nacional de Transportes Terrestres do Minfra, explica que a ideia de oferecer as áreas juntas, como se fossem apenas uma, é que o futuro investidor poderá compensar com os trechos mais adiantados os outros que necessitem de um maior volume de recursos. As obras da Fiol 2, tocadas com recursos públicos através da Valec, devem receber até o final deste ano por volta de R$ 450 milhões. Marcello Costa lembra que o volume é bastante expressivo, se for levada em conta a realidade atual.

“Quase 10% de tudo o que nós temos para gastar está sendo colocado numa ferrovia baiana. É uma decisão importante porque a gente tem a previsão de, já no ano que vem, leiloar a continuação da Fiol 2, 3 e a Fico”, destaca Costa. Fruto do chamado investimento cruzado, com recursos provenientes da antecipação de renovação da Ferrovia Vitória-Minas, a Fico já nasce paga.  Tem R$ 3 bilhões para construí-la e daqui a quatro anos ela estará operacional.

“Estamos concluindo estudos que apontam nesta direção, de leiloarmos em conjunto este grande corredor logístico e não separadamente. Veja, a Fico está paga, ela ajuda a bancar a conclusão da Fiol 2, que está com praticamente 50% de obras concluídas e deve chegar ao leilão próxima de 65%, junto com a Fiol 3, que está partindo do zero”, diz. (Correio)

Foto: divulgação