VOCÊ SABER FAZER NETWORKING? ESPECIALISTAS DÃO DICAS

VOCÊ SABER FAZER NETWORKING? ESPECIALISTAS DÃO DICAS

A sabedoria popular diz que amigos na praça é mais importante que dinheiro no banco. No mundo corporativo, contar com uma boa rede de contatos, o famoso networking, é determinante para fechar parcerias, negócios e até mesmo para abrir portas quando o assunto gira em torno de carreiras. No entanto, fazer um bom networking é muito mais que trocar cartão em eventos e contar com muitos seguidores nas redes sociais. A rede de relacionamento exige participação, troca, gentilezas e tem também normas de etiqueta definidas.

O presidente da seccional baiana da Associação Brasileira de Recursos Humanos(ABRH-Ba), Wladimir Martins lembra que quando o tema são as redes de contatos, existem dois conceitos que precisam ser levados em consideração. O primeiro é o networking, onde há uma perspectiva de business e troca. O outro é o netweaving, onde os contatos são mantidos sem interesses adicionais, além da própria convivência. “Ambas podem gerar frutos, mas ao investir na construção de uma rede, é preciso estabelecer um objetivo e um foco”, esclarece.

Conexões

O presidente da Junior Achievement Bahia Cezar Almeida lembra que o segredo do networking é possuir uma rede de relacionamento que tenha conexão com o negócio e a carreira. “Quanto mais seu negócio cresce, mais é necessário investir em seu networking, pois há novas oportunidades a serem criadas, novas empresas, parceiros, clientes e até funcionários surgem através de uma rede de contatos”, diz.

Cezar Almeida diz que a primeira dica para construir um bom network é não ter pressa, as relações precisam estar sedimentadas em bases sólidas. “É necessário entender que qualidade é mais importante do que quantidade. É mais importante interagir com menos pessoas que conhece do que saber quem são muitas pessoas”, ensina.

Para o representante da Junior Achievement Bahia é importante observar como os contatos serão iniciados e mantidos. “É o momento que você demonstra o interesse naquela pessoa e se mostra interessante e não interesseira. Não há nada melhor em ser interessante do que se mostrar interessado no que o outro faz”, reforça.

Martins destaca que para despertar o interesse, vale contribuir, sempre que for possível, com informação relevante e verdadeira, seja no presencial ou no mundo digital. “Não existe relação se a pessoa ou empresa se mantém estática e inativa. É parecido com estar em eventos profissionais ou rodadas de negócios e não interagir com as pessoas”, afirma. Para o presidente da ABRH, é fundamental se questionar qual é a persona que se pretende alcançar.

Multiplataformas

Almeida faz questão de lembrar que é possível participar de eventos profissionais, online e presenciais ou utilizar redes sociais, como o LinkedIn. “Em todo lugar há oportunidade de construir uma rede de contato e isso independe do seu grau profissional ou de formação. Os estudantes, por exemplo, podem utilizar o ambiente da faculdade para iniciar sua rede”, orienta.

Cezar ressalta que, no caso daqueles que ainda estão em formação,  os professores são profissionais e os colegas de sala logo serão parceiros de profissão. “Essas pessoas serão importantes para sua carreira”, completa. Para ele, uma das situações mais complicadas na construção dessa rede é quando uma pessoa é totalmente interesseira e só deseja utilizar a rede de contatos mas não proporcionar nada para ela.

Almeida salienta que criar um bom networking não exige que o profissional se torne um influenciador digital, mas que se conecte com pessoas que tenham aderência de valores, propósito, profissional. “É necessário questionar: quem são pessoas que tem aderência com minha vida, e eu com a delas, para que possamos fazer uma troca e não uma via de mão única?”, finaliza.

Rede segura

  1. Defina que personas você quer alcançar;
  2. Busque interação constante de modo educado e pertinente;
  3. Não invada perfis para pedir oportunidade de emprego;
  4. Mantenha sua rede ativa;
  5. Não misture informações pessoais e as profissionais.

Foto: divulgação