MESMO COM QUEDA NA PREVISÃO DE JULHO PARA AGOSTO, SAFRA DE GRÃOS 2021 NA BAHIA DEVE SER RECORDE

MESMO COM QUEDA NA PREVISÃO DE JULHO PARA AGOSTO, SAFRA DE GRÃOS 2021 NA BAHIA DEVE SER RECORDE

A oitava estimativa para a safra baiana de cereais, leguminosas e oleaginosas (também conhecidos como grãos) em 2021, prevê, em agosto, que a produção deve chegar a 10.463.382 toneladas neste ano. Assim, deverá ser 4,0% superior à safra recorde de 2020 (10.063.245 toneladas). Isso apesar de a previsão de agosto ter ficado 0,8% menor que a de julho, quando a estimativa era de uma safra de 10.542.882 toneladas de grãos em 2021, no estado. A principal razão para essa queda de um mês para o outro foi a revisão negativa da produção de milho 2ª safra.

De julho para agosto, a previsão da 2ª safra de milho em 2021 caiu 11,3% ou menos 70 mil toneladas, chegando a 550.000 toneladas. Este número é também 31,3% menor que a safra 2020 (800.000 toneladas). A queda da previsão da 2ª safra de milho entre julho e agosto se deu unicamente por conta da diminuição do rendimento médio, de 2.385 para 2.115 kg por hectare. A área plantada permaneceu a mesma: 260 mil hectares. Entre os grãos, também apresentaram queda na previsão, de julho para agosto, as produções de feijão 2ª safra e mamona.

A estimativa para a 2ª safra de feijão recuou 7,1% (menos 7 mil toneladas) entre os dois meses, chegando a 92.200 toneladas. Este número é também 40,2% menor que o de 2020 (154.200 toneladas). Em relação à mamona, a queda foi de 7,2% (-2,5 mil toneladas), o que fez com que a estimativa chegasse a 32.000 toneladas. A safra 2021 deverá ser 11,1% menor que a de 2020 (36.000 t).

Em nível nacional, a estimativa de agosto para a safra de grãos 2021 também apresentou queda. Neste ano, a produção brasileira deve chegar a 251,7 milhões de toneladas, 1,0% menor que a safra recorde do ano passado (que foi de 254,1 milhões de toneladas) e 1,7% inferior à previsão de julho (256,1 milhões de toneladas). A partir das informações desta oitava estimativa, a Bahia deverá manter, em 2021, a sétima maior produção de grãos do país, respondendo por 4,2% do total nacional. Mato Grosso continua na liderança, com 28,2% do total, seguido por Rio Grande do Sul (14,9%) e Paraná (13,5%).

O Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) é realizado mensalmente pelo IBGE. O grupo de cereais, leguminosas e oleaginosas (grãos) engloba os seguintes produtos: arroz, milho, aveia, centeio, cevada, sorgo, trigo, triticale, amendoim, feijão, caroço de algodão, mamona, soja e girassol.

Foto: divulgação