PETROBRAS INVESTE US$ 300 MILHÕES NAS REFINARIAS DA REGIÃO SUDESTE E VENDE AO SETOR PRIVADO AS UNIDADES DO SUL E DO NORDESTE

PETROBRAS INVESTE US$ 300 MILHÕES NAS REFINARIAS DA REGIÃO SUDESTE E VENDE AO SETOR PRIVADO AS UNIDADES  DO SUL E DO NORDESTE

Uma das justificativas da Petrobras para vender a RLAM – Refinaria Landulpho Alves e outras refinarias foi que a empresa passaria a centralizar sua atuação no seu “core business”,  a parte central ou nuclear do seu negócio que seria a extração e prospecção de petróleo. Com isso, várias refinarias, inclusive as localizadas na região Nordeste,  passaram a fazer parte do plano de desinvestimento da empresa. A RLAM foi a primeira a ser vendida para o fundo árabe Mubadala. (veja aqui).

Mas, em pleno desacordo com suas justificativas, nesta segunda-feira (24) a estatal lançou o RefTop-Refino de Classe Mundial, um programa que prevê investimentos de US$ 300 milhões até 2025 para aumentar a eficiência e desempenho de refinarias que não estão no plano de desinvestimentos da companhia.

Ou seja, a ideia de concentrar recursos no seu “core business” foi por água abaixo, já que no comunicado  a estatal não só anuncia vultosos investimentos em refinarias como afirma que o investimento tem por  objetivo fazer das refinarias que ficaram sob o seu controle as melhores companhias refinadoras de petróleo no mundo.

Ora, frente a essa decisão, a Petrobras precisa vir a público explicar que critérios adotou para a escolher as refinarias que seriam vendidas. Além disso, precisa explicar porque as refinarias que não estão no plano de desinvestimento e vão ser modernizadas, um investimento de US$ 300 milhões até 2025, estão todas situadas na Região Sudeste do país. Fica a sensação de que o plano de desinvestimento da estatal tinha como objetivo concentrar as operações de refino na região mais rica do país.

A Petrobras ainda é uma empresa estatal e, como tal, deveria introduzir no seus planos de negócios a variável localização e não privilegiar uma região em detrimento de outras. Agindo dessa maneira está contribuindo para o desequilíbrio econômico entre as regiões do país. As refinarias que receberão os aportes serão as refinarias Presidente Bernardes, Duque de Caxias, Capuava, Paulínia e Henrique Lage, todas localizadas no Sudeste do país.  Os investimentos estão incluídos nos US$ 3,7 bilhões que a empresa prevê para a área de refino no Plano Estratégico 2021-2025.

A empresa precisa, portanto, vir a público explicar se foram critérios políticos ou técnicos os que determinaram a preservação de algumas refinarias em detrimento de outras.