segunda, 15 de julho de 2024
Euro 5.9338 Dólar 5.4493

46 MIL BAIANOS DEIXARAM DE TER PLANO DE SAÚDE EM 2020

Redação - 15/10/2020 07:31

O Brasil registrou a maior taxa histórica de desemprego, de 13,8%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Sem trabalho e com a renda reduzida, muitos baianos tiveram que reequilibrar as contas e 46 mil pessoas deixaram de ter plano de saúde na Bahia em 2020, de acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Os dados são os mais recentes da agência e se referem ao período de janeiro a agosto deste ano

No mesmo período de 2019, foram cerca de 10 mil baianos que desistiram dos convênios, segundo levantamento do Correio.
O aumento entre os dois anos foi de 349%. Ou seja, quase quatro vezes maior em 2020. Em números absolutos, a redução deste ano equivale à população de cidades como Ipiaú, Mata de São João e Poções. Porém, em números relativos, comparado ao total de beneficiários do estado, representa 2,8% dos 1.593.471 baianos que tinham o benefício em janeiro. Em agosto, o número caiu para 1.550.248.

Numa perspectiva nacional, o número caiu em 2020 e a queda também foi maior em relação a 2019. Este ano, entre janeiro e agosto, mais de 87 mil brasileiros deixaram de ter seguro-saúde, contra 21 mil no ano passado – um aumento de 24,5%.
Dentre as cinco cidades da Bahia mais populosas, houve redução em três delas em agosto de 2020 comparado a agosto de 2019. Em Salvador, município onde há mais pessoas com plano de saúde, o número saiu de 805.723 para 782.964 – mais de 22 mil pessoas abdicaram do serviço. O mesmo aconteceu com Feira de Santana e Camaçari. Contudo, os números aumentaram em Vitória da Conquista, Juazeiro e Lauro de Freitas.

Baianos optam por planos mais baratos

Umas das principais situações vistas pelos corretores que vendem planos de saúde não foi a baixa procura, mas clientes que queriam trocar o benefício para um mais em conta. Segundo as especialistas no ramo ouvidas pela reportagem, a maioria saiu de uma convênio com cobertura nacional – como Sul América, Bradesco e Amil – para os de abrangência regional ou local, como Casseb,

A sócia da True Corretora de Seguros Jose Caetana, 26 anos, aponta ainda que houve uma maior desistência de planos de saúde empresariais, isto é, pessoa jurídica, e uma busca maior por planos individuais, para pessoas físicas. “Entre março e abril, teve uma queda que a gente sentiu muito. Mas depois, em julho, a procura aumentou. Houve principalmente um aumento na busca de produtos individuais e uma queda nos empresariais”, comentou a empresária.

Motivos para a queda
De acordo com a Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge), o sistema de saúde passou um período sem precedentes. “O sistema de saúde passou por um período sem precedentes. O cenário econômico é o principal fator que incide na variação do número de beneficiários no Brasil, visto que o setor é diretamente impactado pelo número de empregos formais e renda da população. A economia prosperando, a saúde suplementar volta a crescer”, informou a associação, por meio de nota.

Municípios com mais planos de saúde na Bahia (agosto de 2019 e agosto de 2020)
Salvador – 805.723 e 782.964
Feira de Santana – 128.117 e 125.810
Lauro de Freitas – 59.660 e 63.732
Camaçari – 61.811 e 60.536
Vitória da Conquista – 45.021 e 45.748
Juazeiro – 31.497 e 31.732
Fonte: ANS

Preços de planos de saúde
Bradesco – R$325,25 a R$8.588,34
Unimed – R$224,38 a R$4.196,86
Hapvida – R$ 214,23 a R$1.874,12
Fonte: ANS

Imagem: Ilustrativa

Copyright © 2023 Bahia Economica - Todos os direitos reservados.