ELEIÇÃO EM SALVADOR: COM CAMPANHA MORNA E SEM DEBATES É DIFÍCIL APOSTAR NO 2º TURNO

ELEIÇÃO EM SALVADOR: COM CAMPANHA MORNA E SEM DEBATES É DIFÍCIL APOSTAR NO 2º TURNO

Será muito difícil para a oposição viabilizar o segundo turno nas eleições para Prefeitura de Salvador. Um rápida análise da situação mostra que vários fatores indicam que a fatura eleitoral pode ser resolvida no primeiro turno. O primeiro e mais forte sinal de que Bruno Reis do DEM pode vencer no 1º turno vem das pesquisas que o colocam bem a frente dos demais candidatos, mas outros fatores também fortalecem essa tendência. Um deles é o cancelamento dos debates anunciado pelas redes de televisão.

Debate entre candidatos é um evento que sempre traz surpresas e cujo desempenho dos participantes  pode ser explorado pelas campanhas. Aqui vale ressaltar que a decisão das redes de televisão não se sustenta, afinal, centenas de eventos on line tem sido realizados e, além disso, a pandemia em Salvador está controlada, o que indica que a realização de um debate presencial não traria qualquer problema,  desde de que fossem adotados os protocolos já definidos.

Sem esse componente e com os programas eleitorais de televisão mostrando pouca capacidade de mudar votos, será difícil modificar o quadro que ora se desenha. É verdade que alguns candidatos tendem a crescer, como é o caso da Major Denice, impulsionada por uma campanha bem elaborada que tem focado na vinculação da candidata ao governador Rui Costa, bem avaliado pela população de Salvador, e com capacidade de transferir votos. O crescimento eleitoral da Major Denice é a única aposta consistente para viabilizar um segundo turno, mas ainda assim será uma luta inglória.

Isso porque tudo parece favorecer o candidato Bruno Reis, que possui mais tempo de televisão no programa eleitoral, que possui um exército de cerca de 900 candidatos à vereador disseminando seu nome e que está em campanha há 4 anos, sempre colado no Prefeito ACM Neto. Além disso, as eleições de 2020 trazem em seu bojo um componente que favorece a reeleição de prefeitos e dos candidatos vinculados aqueles que não podem se reeleger, especialmente os que demonstraram capacidade de gestão frente a pandemia. E esse é o caso do Prefeito ACM Neto.

Em resumo: ao que parece, se nada de novo acontecer, a disputa pela Prefeitura de Salvador vai continuar morna e caminha para ser definida no primeiro turno.