BRASKEM, BAYER, MAGALU E TIM ABREM PROGRAMAS DE ESTÁGIO PARA NEGROS

BRASKEM, BAYER, MAGALU E TIM ABREM PROGRAMAS DE ESTÁGIO PARA NEGROS

Após a Magazine Luiza e a Bayer divulgarem programas voltados para trainees exclusivamente negros, no mês passado, houve muita polêmica, mas as iniciativas também explicitaram uma mudança de cultura cada vez mais abraçadas pelas organizações: o incentivo à diversidade nos quadros de colaboradores.

Pessoas negras representam 55,8% da população brasileira, mas ocupam menos de 5% dos cargos de liderança nas 500 maiores empresas do país, segundo pesquisa do Instituto Ethos. Números da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) apontam também que as mulheres negras constituem o maior grupo populacional do país (25,3%), porém ocupam somente 0,4% dos altos cargos nas empresas.

De acordo com o Correio, empresas como a Braskem e a TIM decidiram seguir os passos na cultura da diversidade e inclusão. O Programa de Estágio da Braskem, por exemplo, está com inscrições abertas e com vagas na Bahia, e tirou a exigência do inglês em 40% das vagas. Para a empresa, a obrigatoriedade do segundo idioma acaba sendo um filtro que dificultava a diversidade e inclusão nesse processo seletivo, que é a principal porta de entrada para a empresa. A seleção de currículos continua sendo às cegas, sem acesso a informações como idade ou faculdade. A companhia manteve, ainda, parcerias com a Cia de Talentos, a consultoria Mais Diversidade e com coletivos negros de universidades para realizar iniciativas direcionadas à atração, desenvolvimento e inclusão de grupos historicamente minorizados pela sociedade.

As etapas são 100% on-line e compreendem, por exemplo, o Teste de Tomada de Decisão, em substituição ao Teste de Raciocínio Lógico. Além disso, as interações foram “gamificadas” para focar no alinhamento entre o perfil do candidato e a cultura da empresa. São cerca de 300 vagas distribuídas nos estados da Bahia, São Paulo, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

 

Foto: Reprodução/ Internet