VEJA COMO FALAR DE POLÍTICA NAS REDES SOCIAIS SEM PERDER O EMPREGO

VEJA COMO FALAR DE POLÍTICA NAS REDES SOCIAIS SEM PERDER O EMPREGO

Casos de pessoas demitidas porque postaram comentários considerados inadequados relacionados a assuntos de grande repercussão na mídia e redes sociais pipocam a todo instante. Em um episódio recente, uma professora fez um comentário impróprio sobre a menina de 10 anos estuprada pelo tio no Espírito Santo – e acabou demitida. Para especialistas, as redes funcionam cada dia mais como uma vitrine e, se o profissional age de forma desrespeitosa ou preconceituosa no ambiente virtual, dificilmente será diferente na vida real. Por isso, é preciso tomar cuidado para não manchar a imagem ou prejudicar a reputação.

Postar ou não postar?

Ana Carolina Meirelles, estrategista e criadora de conteúdo audiovisual, considera essencial o cuidado com qualquer tipo de postagem nas redes sociais, porque ela pode ser interpretada de forma errada e gerar uma discussão prejudicial para o profissional. “O ideal é construir o argumento de forma educada e clara e escolher muito bem as palavras para que não gere diversas interpretações”, aconselha.

A especialista lembra que nas redes sociais há sempre pessoas com opiniões divergentes, por isso, assuntos extremamente polêmicos devem sempre ser evitados, principalmente se feitos no momento da emoção. “Parar, refletir sobre o assunto e usar a razão para construir um argumento pode gerar uma discussão saudável, enquanto atacar pessoas e usar termos e expressões vulgares só gera mais atrito”, opina.

Ana Carolina ressalta que qualquer ação em uma rede social não termina nela mesma, pois, mesmo que não defenda nenhum ponto de vista, ela está inserida na realidade de quem posta e do pré-conceito do receptor que a observa.

Profissional pode ser demitido por causa de comportamento, dizem especialistas

Para Roberto Recinella, especialista em gestão do capital humano e neurocomportamento, deve ser evitado qualquer tipo de comentário polêmico nas redes, e essa regra vale para todo mundo – do funcionário ao CEO de uma empresa. “Não existe nas redes sociais diferença entre a vida pessoal e a profissional, por isso, a regra é não falar o que você não falaria para a pessoa pessoalmente. Mas a mídia social parece dar um anonimato e você acaba dando uma opinião que muitas vezes pode ser mal interpretada ou, quando colocada fora do contexto, acaba com a vida da pessoa ou da empresa”, alerta.

A especialista e pesquisadora sobre tendências de carreira Sofia Esteves afirma que a postura revela muito sobre a personalidade da pessoa e a forma de julgamento que ela tem. “É importante viver num mundo onde a gente julgue menos e tente solucionar mais questões do que gerar conflito e dor de cabeça. Você pode falar do problema, mas muito mais numa questão reflexiva do que numa questão de julgamento”, resume.

Preconceito elimina?

A estrategista e criadora de conteúdo audiovisual salienta que, quando uma empresa contrata um profissional, ela atrela a sua imagem a ele. E os clientes e parceiros formarão uma opinião sobre a empresa de acordo com as características percebidas através dele.

“Se essa pessoa age de forma desrespeitosa e preconceituosa no ambiente virtual, dificilmente será diferente na vida real. E se ela tem um comportamento diferente no ambiente real e virtual, essa incoerência gera desconfiança sobre quem é realmente aquela pessoa. Por isso, as empresas buscam profissionais que estejam alinhados com a suas visões, valores e percepções de mundo”, explica.

Segundo os especialistas, todo mundo pode ter uma opinião sobre determinados assuntos, mas comentários preconceituosos sobre religião, sexo, cor da pele, peso, classe social e opção sexual, por exemplo, mesmo feitos em tom de brincadeira, são considerados ofensivos e podem manchar a imagem e prejudicar a reputação do profissional. “As pessoas vão procurar o seu nome e vai aparecer alguma coisa que você colocou e você é julgado por uma frase, por um pensamento, e claro que isso vai comprometer a sua carreira porque a pessoa vai te julgar pelo que você falou”, observa Recinella.

Estão de olho no meu perfil?

Os recrutadores estão de olho no que os profissionais estão postando nas redes sociais. “É realmente uma prática cada vez maior, especialmente agora na pandemia com processos seletivos virtuais”, diz Recinella. Segundo Ana Carolina, é possível criar uma imagem sobre as pessoas apenas observando as atitudes delas nas redes sociais. E, para qualquer recrutador, isso não é diferente.

“O candidato pode ter todos os requisitos necessários para ocupar determinada vaga, mas se uma foto ou comentário em alguma rede social passa uma mensagem que vai na contramão dos valores que a empresa prega, esse profissional pode perder a chance”, adverte. Para Recinella, o profissional que usa redes sociais vai construindo um perfil que deixa rastros na internet. E quando os recrutadores pesquisam, eles veem uma discrepância entre seu perfil nas redes sociais com o que ele está apresentando no currículo. “Isso macula a sua credibilidade e elimina a possibilidade de ser entrevistado”, afirma.

O especialista dá como exemplos fotos do profissional num churrasco totalmente alcoolizado ou em situações vestido com trajes inadequados, além de posts com palavras de baixo calão ou com brincadeiras de mal gosto. “A imagem fica abalada porque o recrutador vai enxergar isso, então você está colocando um currículo maravilhoso e a pessoa vê você maltratando animal, por exemplo, aí está feito o estrago”.

Meu emprego está em jogo?

A preocupação com o que postar nas redes deve ser uma premissa na vida de todos os profissionais, independentemente de estarem ou não empregados. “Uma atitude infeliz, um comentário polêmico, uma foto comprometedora são exemplos de coisas que podem fazer com que uma empresa decida desligar um funcionário imediatamente. Nenhuma empresa quer ser lembrada por admitir um funcionário que tem atitudes que não condizem com os valores dela e que são reprovadas pelos seus clientes”, diz Ana Carolina.

Para Recinella, colocar a opinião sobre algum assunto com algum grau de ódio compromete o emprego porque quem posta leva junto o nome da empresa em que trabalha. “A empresa fala que você está indo contra o código de ética, e você acaba sendo demitido por causa disso, independentemente de você ser estagiário ou presidente”, diz. “A sua reputação é sua imagem de confiança e de credibilidade, então para você ter uma imagem de credibilidade, hoje o mercado todo olha muito mais as pessoas que têm empatia por uma causa, não é você se isentar de falar sobre o problema, porque também muitas vezes quem cala consente, mas como você aborda o problema, que reflexões, que aprendizados você tira sobre aquela situação, e isso é positivo de ser feito”, comenta Sofia Esteves.

Recinella concorda com a pesquisadora de tendências de carreira. “Você tem a liberdade de expressão, de ter opinião do que você quiser, só que é preciso saber se posicionar de forma serena”, afirma. As redes sociais são suas e você tem o controle sobre elas. Portanto, você pode escolher postar aquilo que vai gerar admiração e reflexão, e não aversão ou repúdio nas outras pessoas.

Atitudes como “falo mesmo porque as redes sociais são minhas” devem ser revistas. Elas podem ser suas, mas o alcance que um comentário pode ter pode ir além do seu controle e prejudicar a sua imagem. Quer comentar sobre algum assunto que está na mídia? Meça sua palavras, seja racional e não insulte outras pessoas. Só comente se tiver algo relevante para pontuar e que possa gerar uma discussão saudável e com conteúdo interessante. Não desmereça ninguém. Quer fazer uma crítica construtiva para alguém? Lembre-se: elogios em público, críticas em particular. O melhor é chamar inbox ou mandar mensagem privada. Evite críticas públicas.

Comentar temas como futebol, religião e política não é recomendado. Evite opinar sobre assuntos polêmicos nas redes, faça isso em seu círculo social de forma direta, porque ao publicar em mídias sociais você pode ser mal interpretado e isso vai prejudicá-lo. Se você não tem coragem de se expor em uma festa com amigos e parceiros de trabalho, falando palavras de baixo calão ou mal das pessoas e dando opiniões de ódio ou preconceituosas, por que faria isso nas redes sociais?

Veja dicas de Sofia Esteves:

  • Ter cuidado com a forma e o conteúdo do que é postado mostra o zelo que a pessoa tem ao expressar sua opinião nas redes sociais.
  • Seja cauteloso com a escolha das fotos postadas. Pense em qual impressão cada foto pode causar. A sua rede é a expressão do que você é, e ela tem que estar adequada com aquilo que você quer deixar de imagem para o mercado.
  • Se você quer ser uma pessoa que mistura o público com o privado, precisa estar ciente que isso tem que estar de acordo com os tipos de setores nos quais vai procurar emprego. Se você quer trabalhar num setor que não se importe com fotos sem camisa, por exemplo, faça do jeito que você quiser. Mas se pretende ter uma imagem que seja mais comum a todo mundo, não precisa forjar uma coisa que você não é, mas não coloque fotos que possam depor contra você ou contra um ambiente onde você pode ser avaliado.

Como as redes podem ajudar?

Para Ana Carolina, as redes sociais são a melhor forma de aumentar a visibilidade. No entanto, dependendo de como a pessoa se comporta, ela pode tanto atrair olhares de admiração como de repulsa. “Se escolher postar e comentar sobre coisas que agreguem e gerem empatia nas outras pessoas, a rede social será uma ótima aliada na construção de reputação e influência. Mas se escolher comentar ou postar apenas para provocar ou gerar polêmica, isso pode prejudicar a imagem pessoal e profissional”, resume.

Por isso, a estrategista de conteúdo aconselha o uso do bom senso e garante que quem consegue construir uma imagem mais polida nas redes sociais terá mais portas abertas para oportunidades profissionais. Recinella indica a publicação de artigos ou reportagens que tenham a ver com a carreira das pessoas. “Se você trabalha no mercado financeiro, escreva sobre economia, investimentos, finanças pessoais, ou se atua com vendas, publique artigos sobre estratégias, dicas e técnicas. Os próprios recrutadores vão te enxergar como uma autoridade, vão entender a sua opinião, e com isso você vai construindo a sua carreira. Lembrando que uma palavra que você coloque errado, um pensamento ou um posicionamento podem colocar em risco tudo o que você já construiu”. Outra recomendação é deixar à mostra os projetos bem-sucedidos, titulações alcançadas, marcando pessoas envolvidas nos trabalhos, se houver permissão para isso.

Foto: divulgação