FUNDO ÁRABE GANHA LEILÃO PARA COMPRA DE REFINARIA NA BAHIA

FUNDO ÁRABE GANHA LEILÃO PARA COMPRA DE REFINARIA NA BAHIA

Após os dois grandes conglomerados internacionais apresentarem propostas a Petrobras para a compra da RLAM – Refinaria Landulpho Alves, em Mataripe, avaliada em 2,5 bilhões de dólares, o Conselho de Administração da empresa anunciou que aprovou o início da fase de negociação dos contratos aplicáveis com o fundo soberano de Abu Dhabi, dos Emirados Árabes.

A Mubadala Investment Company apresentou a melhor proposta para a privatização da RLAM e a Petrobras imediatamente deu início as das negociações.  A Petrobras não divulgou o valor da proposta da Mubadala, mas ela foi mais atrativa do que a proposta apresentada pelo  Essar Group, um grupo indiano que também estava interessado na compra.

Como o Mubadala fez a melhor oferta na fase vinculante,  ganhou o direito de discutir com exclusividade os termos do contrato de compra com a Petrobras.  Mas a depender das negociações com o primeiro colocado, que pode levar semanas, existe a possibilidade de ocorrer uma nova rodada de propostas vinculantes com o conglomerado indiano Essar. Só se saberá efetivamente o comprador da RLAM  após todas as etapas estarem concluídas. No entanto, o Presidente do Senado, Davi Alcolumbre e da Câmara, Rodrigo Maia, estão questionando a venda no Supremo Tribunal Federal  (Veja aqui)

Além da refinaria, será vendido  quatro terminais portuários no estado: Candeias, Itabua, Jequié e Madre de Deus. A Petrobras vai vender também 669 km de dutos que integram a rede da refinaria, incluindo oleodutos ligando a RLAM ao Terminal Madre de Deus e oleodutos longos ligando a RLAM aos Terminais de Jequié e Itabuna e também o oleoduto  ligando a RLAM ao Complexo Petroquímico de Camaçari.

Veja Também: Fundo árabe que fez oferta para comprar a RLAM já controla empresa no Polo Petroquimico de Camaçari