VIÚVA DE CINEASTA, ATRIZ DENUNCIOU JOÃO DE DEUS COM A AJUDA DO ATUAL MARIDO

VIÚVA DE CINEASTA, ATRIZ DENUNCIOU JOÃO DE DEUS COM A AJUDA DO ATUAL MARIDO

A série “Em nome de Deus”, sucesso no Globoplay, reúne mulheres que foram vítimas daquele que foi possivelmente o médium mais famoso do mundo, hoje cumprindo pena domiciliar. Entre tantos depoimentos, está o da atriz Deborah Kalume, de novelas como “A vida da gente” e “Deus salve o rei”. Em 2019, ela quebrou o silêncio e denunciou João de Deus por abuso sexual. Um segredo que ela guardava há anos, desde que procurou a Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, Goiás, em busca da cura do então marido, o cineasta Fábio Barreto. A atriz foi ao encontro do médium dois anos e meio depois do grave acidente de carro sofrido por ele, que o deixou inconsciente por quase uma década, até sua morte em novembro do ano passado. Em vez da cura, o trauma.

Diante da repercussão de seu depoimento na série, Deborah, de 42 anos, fez um desabafo através das redes sociais: “Demorei muito tempo da minha vida para falar sobre esse assunto. Tardei, mas não calei. Não foi fácil, nem está sendo agora ouvir e rever tudo isso novamente, mas sei que foi extremamente necessário para que monstros como esse jamais, jamais usem de escudo o silêncio das mulheres!”.

Para quebrar o silêncio, a atriz contou com a ajuda do empresário Sandro Wagner, com quem está casada atualmente. Foi o marido quem a encorajou a denunciar João de Deus no momento em que soube do crime cometido por ele. Agora, Deborah tenta reconstruir sua vida ao lado do novo amor e do filho, João, de 14 anos, fruto do seu casamento de 18 com o cineasta. O adolescente já trilha uma carreira de sucesso como ator. O atual relacionamento ainda trouxe dois enteados e uma parceria profissional — ela e Wagner são sócios numa indústria. “Ter uma família e uma rede de amigas e amigos que acreditam em você — privilégio que nem todas as mulheres abusadas têm, infelizmente — faz com que você não se sinta mais sozinha. E isso me encorajou a denunciar, me fez não mais querer calar. E me libertou também”, disse ela.

Foto: facebook