MULHER QUE LEVOU SUSTO DE NEGO DO BOREL MORRE SEM RECEBER INDENIZAÇÃO

MULHER QUE LEVOU SUSTO DE NEGO DO BOREL MORRE SEM RECEBER INDENIZAÇÃO

Nego do Borel, 27 anos, não responde mais na Justiça por ter dado um susto em Hilda de Britto Champoudry. Em 2014, a guia turística processou o funkeiro por ter sido constrangida por ele em um aeroporto e virado chacota na internet. Ela pedia R$ 95 mil de danos morais, mas morreu vítima de câncer em outubro de 2019, aos 62 anos. O caso foi arquivado.

Em 2014, o funkeiro fez uma brincadeira no aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, sem a autorização de Hilda. A senhora aguardava parentes no aeroporto quando foi abordada pelo cantor.

No processo, a advogada da vítima, Marli dos Santos Loureiro, relatou que Hilda estava no aeroporto quando Nego surgiu “usando um agasalho com capuz” e atirou-se sobre ela “gritando, como se fosse tombar sob ela, saindo às gargalhadas, sob o riso e gracejos de outras pessoas”. Tudo foi publicado nas redes sociais do artista.

A guia teria tido aceleração cardíaca, que passou apenas após ela tomar calmante. No processo, Hilda afirmava ter se sentido constrangida ao ver a repercussão do vídeo na internet. A ação corria na 7ª Vara Cível Regional de Jacarepaguá.

Uma audiência entre as partes foi marcada para novembro de 2019. Nego do Borel estava presente e soube, na ocasião, da morte de Hilda. Consta nos autos que o músico e a juíza Andreia Florêncio Berto foram informados “pela advogada da autora, que sua cliente faleceu e que seus herdeiros não têm interesse no prosseguimento do feito”.

Diante desse desfecho, a magistrada julgou a ação como extinta. O processo foi arquivado oficialmente na semana passada.

Foto: Instagram