BAHIA ESTÁ EM 22º LUGAR EM NÚMERO DE TESTES DE COVID-19

BAHIA ESTÁ EM 22º LUGAR EM NÚMERO DE TESTES DE COVID-19

Aqui mesmo neste espaço, comentamos que, apesar da Bahia apresentar números muito melhores do que outras estados do país no relacionado ao enfrentamento do Covid-19, o governo do Estado e a Prefeitura de Salvador não estariam testando suficientemente a população, política fundamental se se deseja a ampliação da flexibilização do isolamento social.

No entanto, o secretário de Saúde do Estado da Bahia, Fábio Villas Boas, discordou e, em live no Bahia Econômica, afirmou que a Bahia é um dos estados que mais testam no país. É uma verdade relativa. Efetivamente, a Bahia ocupa o 5º e já aplicou 121 mil testes, ficando atrás apenas de São Paulo, Distrito Federal, Ceará e Amazonas. Mas o número absoluto é um número enganador, pois o que importa é o número de testes por 100 mil habitantes e aí a posição da Bahia despenca para o 22º lugar, abaixo apenas de Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás, Paraná e Rio de Janeiro. Os dados podem ser acessados aqui.

O fato é que o estado está testando pouco e muito dos recursos que estão sendo aplicados em outras áreas poderiam ser direcionado para a ampliação dos testes, passo fundamental para a reabertura da economia. O mesmo se pode dizer para Salvador que, embora ainda estejamos compilando os dados, já mostra que está bem abaixo da média necessária de testes, como recomenda a OMS.

Sem testes em massa, não se sabe quanto da população foi infectado pelo coronavírus e estão curadas e imunes a ele. Essa proporção de pessoas já infectadas e curadas é que define o nível de imunidade de rebanho ou imunidade de grupo. Quanto mais testes, mais pessoas estarão seguras de sair às ruas e pode-se assim avançar na flexibilização rapidamente. Aliás, muitas empresas estão testando seus empregados e isso deveria se disseminar na Bahia, pois é um caminho para o controle da epidemia.

Governo do Estado e Prefeitura de Salvador precisam ampliar a testagem, afinal investir recursos na ampliação da rede de UTIs é imprescindível, mas não dá a porta de saída para a abertura da economia. A porta de saída são os testes, ou seja, em Salvador e na Bahia, é hora de testar, testar e testar.