JORNAL A TARDE: ARMANDO AVENA: A BOLSA É VOLÚVEL COMO A ÁGUA

JORNAL A TARDE: ARMANDO AVENA: A BOLSA É VOLÚVEL COMO A ÁGUA

Louco de ciúmes, Otelo dizia que Desdemona era volúvel como a água. A Bolsa de Valores também é volúvel como a água. É  isso que explica a valorização das ações, que, provavelmente, vai fazer o Ibovespa atingir os 100 mil pontos em breve. Para os investidores e especuladores da Bolsa não interessa o presente, cujas estatísticas registram um desastre econômico, nem o futuro com a previsão de queda acentuada do PIB no Brasil e no mundo: o que vale é esse intervalo entre o presente e o futuro. O preço das ações está subindo porque, estabilizado o coronavírus nos países ricos,  a economia voltou a crescer em forma de V, como previsto aqui, ou seja, após o fundo do poço, crescimento acelerado como se vê  na China e outros países.

Mas outro fator faz a bolsa disparar mundo afora: o excesso de liquidez, pois está sobrando dinheiro no planeta. Todos os países derramaram bilhões no mercado para compensar a paralisação da economia,  através do aumento de dívida ou da impressão de moeda. Com juros baixos em toda a parte, essa dinheirama está rodando o mundo em busca de rentabilidade. E, como no Brasil a bolsa caiu mais e o dólar valorizou mais  que em outros lugares, o país ficou  barato e as ações de muitas  empresas estão de graça, especialmente daquelas que produzem o que os países desenvolvidos querem: commodities, como minério de ferro, celulose, soja e outros.

Resultado, o fluxo de dólares se inverteu e bilhões entraram no país derrubando a cotação do dólar e fazendo a bolsa subir.  Mas, apesar disso, tudo é incerteza, tanto para a bolsa quanto para a economia. Em primeiro lugar  não está descartada uma nova onda de coronavírus pelo mundo, fazendo a retomada ter a forma de W, ou seja, após a queda, uma retomada, para, logo em seguida, nova queda. E no Brasil, a crise do coronavírus está em vias de se agravar e quando 2 mil mortos por dia forem empilhados  em frente do Palácio do Planalto teremos uma enorme crise sanitária, política e econômica. Então, o investidor estrangeiro vai embora e a bolsa despenca.

E isso, sem contar, a estripulias de Paulo Guedes que, de repente, deixou de ser liberal, esqueceu o déficit fiscal, e a conta que virá pós pandemia e está viabilizando um programa de renda mínima para todos, até para os informais. No Brasil, tudo é possível, por isso o investidor nacional que está entrando na bolsa agora deve ter cautela, pensar no longo prazo e ter consciência de que a bolsa é volúvel como a água.

                                   INSDÚTRIA NA BAHIA: 50% CRESCEU

A indústria baiana registou uma queda histórica de 26% no mês de abril, em relação ao ano anterior. Mas pode-se verificar que quase 50% da indústria na Bahia não sofreu com a crise. Isso porque, a produção de derivados de petróleo cresceu 4,2%, o setor de papel e celulose cresceu 5,6% e a produção de alimentos registrou um incremento de 1,8% e esses setores representam quase 50% da indústria baiana. A explicação é simples, o consumo de alimentos continuou crescendo na crise  e os setores de celulose e petróleo vendem para o mercado externo. Mas a produção de veículos caiu 97%, metalurgia 35% e bebidas 60% e petroquímica caiu 12%.

                                                       A COVID

O enfrentamento da Covid-19 na Bahia e em Salvador foi feito de forma adequada e está poupando milhares de vidas. Mas quem examina os modelos, vê que, exatamente por estar dando certo, o estado está empurrando o pico de casos para frente para com isso ampliar os novos leitos de UTIs, que no final do mês estarão disponíveis, e vão salvar vidas.  Mas, a medida que o tempo se estende, a pressão para a reabertura da economia aumenta e os índices de isolamento caem e com isso a taxa de contágio se amplia, o que requer novas medidas de isolamento.  É uma luta inglória, mas o resultado pode ser um número de mortes bem menor na Bahia do que outros estados. Será uma vitória da boa gestão.