NO CEARÁ, COMISSÃO INICIA NEGOCIAÇÃO COM PMS AMOTINADOS

NO CEARÁ, COMISSÃO INICIA NEGOCIAÇÃO COM PMS AMOTINADOS

No Ceará, representantes dos três poderes e da OAB começaram a negociar com policiais militares que estão em greve. Nesta quarta-feira (26), o governo cearense pediu ao governo federal a prorrogação da permanência de militares do Exército no estado. O prazo inicial se encerra na sexta-feira (28). Os policiais militares escolheram como intermediador um coronel reformado do Exército, que é advogado de associações militares.

“Quando os ânimos se acalmarem, aí nós falaremos como é que pode ser negociada a situação dos policiais, como pode ser negociado esse dilema em que se entrou”, disse o coronel Walmir Medeiros. A comissão negociadora também conta com integrantes do Legislativo, do Executivo e do Judiciário. A Justiça do Ceará já considerou a paralisação ilegal. Ela começou depois que os PMs voltaram atrás num acordo e recusaram a proposta de aumento de R$ 1 mil no salário do soldado, parcelado em três vezes.

Um batalhão de Fortaleza, um na região metropolitana e duas bases no interior seguem ocupados pelos PMs amotinados. A Secretaria de Segurança Pública do Ceará parou de divulgar o número de assassinatos alegando motivos de segurança e que os balanços costumam ser mensais. Mas, nos seis primeiros dias de motim, os números foram divulgados diariamente: 170 pessoas morreram, cerca de cinco vezes mais que a média normal.

Entre as vítimas está Ângela Cristiane Palácio, de 24 anos, que foi enterrada nesta quarta-feira (26). Homens perseguiam um rapaz e acertaram Ângela por engano na porta de uma loja de conveniência.

Foto: divulgação