COMO A PERSONALIDADE PODEM LEVAR AO SUCESSO NO MERCADO DE TRABALHO

COMO A PERSONALIDADE PODEM LEVAR AO SUCESSO NO MERCADO DE TRABALHO

Nem todos os profissionais estão satisfeitos em sua carreira e essa frustração vem da certeza de não estar no lugar de trabalho mais adequado. Além disso, a maioria acredita que apenas o esforço vai alavancá-los para o topo de suas ocupações. Uma pesquisa realizada com 1.058 participantes (53% acima de 35 anos e 59% com nível superior) pela Pactive Consultoria, empresa liderada pelo consultor e autor Eduardo Ferraz, revela que 89% deles, independente da faixa etária e nível de escolaridade, acreditam na frase: “Você pode obter sucesso profissional em qualquer área, basta esforço”. Eduardo Ferraz afirma que é possível o profissional encontrar o sucesso no mercado de trabalho, mas não pelo esforço, e sim pela busca do autoconhecimento e dos pontos fortes.

Confira abaixo 6 dicas do especialista:

Conheça seu perfil comportamental

Todos temos perfis comportamentais que parecem que vêm de berço. Alguns são mais tímidos, outros mais falantes, alguns preferes resolver problemas com criatividade e outros precisam de processos e uma certa organização para poderem pensar. Isso não é ensinado em nenhuma escola: simplesmente faz parte de quem somos. “Para se posicionar no lugar mais adequado, é fundamental que você conheça seu perfil comportamental, que reflete na maneira como você interage com o mundo ao seu redor”, diz Ferraz. Segundo ele, existem diversos testes que analisam seu perfil e o mais famoso deles é o DISC, criado em 1928 pelo PhD em psicologia William Marston, que traça a personalidade por meio de quatro grandes características: dominância, influência, estabilidade e conformidade. Apesar de antiga, a teoria tem sido aprimorada e continua válida.

Descubra o que te motiva

É absolutamente necessário ter um bom motivo para sair da cama todos os dias. Para Ferraz, existem quatro principais fatores que motivam os trabalhadores: dinheiro, segurança no emprego, constante aprendizado e o reconhecimento social. Antes de decidir por sua área e em qual empresa trabalhar, é preciso, então, conversar com quem já está inserido no mercado para entender quais dos fatores são oferecidos. “Antes de aceitar uma proposta de emprego, é preciso pesquisar como a empresa funciona. Depois da última entrevista de seleção, você deve pedir para conversar com algumas pessoas da empresa. Procure descobrir há quanto tempo trabalham os funcionários mais antigos. Analise o perfil de quem tem dado certo, como são a cultura e os benefícios oferecidos, quem são os clientes, qual é o histórico da empresa e sua reputação no mercado”, diz.

Identifique e use seus principais talentos

Ferraz cita um conceito do escritor Geoff Colvin para talentos: “Aptidões naturais para fazer alguma coisa melhor do que a maioria das pessoas e de maneira consistente”. “Ou seja: é algo que fazemos bem feito, sem esforço e com bons resultados. Quando identificamos e aprimoramos nossos talentos, os resultados aparecem com maior rapidez, a carreira evolui e nos tornamos cada vez mais produtivos”, diz. Segundo ele, existem pelo menos dez talentos aplicáveis em diversas carreiras ou profissões: artístico-corporal, esportivo, relacional, espacial, naturalista, linguístico, lógico-matemático, empreendedor, executor e o criativo-intuitivo. Em qualquer profissão, é necessário trabalhar com uma mistura de qualquer um deles, mas é claro que a maior aptidão em uma ou outra área será mais adequada para determinadas carreiras. É imperativo, então, saber em quais áreas você mais se destaca e entender que ninguém é bom em tudo: focar nos seus talentos será primordial para escolher a carreira que trará mais sucesso e autorrealização.

Aprimore suas atitudes

Enquanto talentos e perfis comportamentais são qualidades quase imutáveis, nossas atitudes estão sempre sob nosso comando. Segundo ele, são muitos os costumes positivos, como disposição, pontualidade, determinação para aprender, proatividade, resiliência, profissionalismo, temperança e altruísmo, e não devem ser subestimados. Para Ferraz, o esforço para apresentá-los é o grande diferencial. “Boas atitudes funcionam também como um atenuante para alguns de nossos defeitos, pois as pessoas aceitam melhor nossas falhas quando percebem que temos atitudes positivas que compensam”, diz.

Corrija seus pontos limitantes

O foco deve estar nas fortalezas, mas as fraquezas e os pontos a serem melhorados também devem ser analisados com carinho ou maquiados ao máximo, segundo Ferraz. “Quando você atenua ou diminui seus pontos limitantes, seus pontos fortes aparecem com mais intensidade, já que na maioria das vezes as pessoas percebem mais facilmente os erros que os acertos”, diz. “Por isso, não se acomode e neutralize o que estiver limitando sua carreira. Procure ficar atento às situações em que suas fraquezas costumam aparecer. Isso o ajudará a percebê-los enquanto ainda não causaram problemas graves e ficará mais fácil diminuir sua intensidade.”. Ele indica buscar ajuda quando necessário. Se os pontos limitantes incluem a apatia ou a instabilidade emocional, por exemplo, talvez seja o caso de buscar um psicólogo. Em outros casos, como a procrastinação ou a dificuldade de organização, há muitas opções de cursos que podem oferecer auxílio.

Foto: divulgação