segunda, 22 de julho de 2024
Euro 6.114 Dólar 5.6094

EX-DEPUTADO FEDERAL EMILIANO JOSÉ CRITICA LAVA JATO

Redação - 20/08/2019 09:55

O ex-deputado federal Emiliano José (PT) fez, ontem, duras críticas à operação Lava Jato. Para ele, os procurados e o ex-juiz federal Sérgio Moro, que hoje é ministro da Justiça, agiram como uma organização criminosa. “É uma organização criminosa que seleciona quem eles quer atacar, quem eles não querem. Quem vão derrubar, querem definir para onde vai um ou outro. Querem acessar dados da Receita de maneira ilegal e criminosa. Está tudo revelado agora. Não tem jeito. O conluio para prender Lula e ser ministro”, atacou, em entrevista à Rádio Câmara Salvador.

Para o ex-parlamentar, é “evidente” para o “mundo todo” que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é “perseguido”. Emiliano justificou o motivo para o ex-chefe do Palácio do Planalto ser “perseguido”. “Lula virou um fenômeno nacional, uma liderança mundial da esquerda. Reconhecido pelos principais dirigentes do mundo, inclusive de direita. O seu governo promoveu mudanças únicas na história do mundo naquele período. É um sujeito que tirou 36 milhões de pessoas da miséria absoluta, Agora, nós voltamos ao mapa da fome que a gente tinha sido retirado”, pontuou. Emiliano disse que o combate à corrupção é “essencial” e deve “servir para aperfeiçoar” a administração pública. “Não pode servir de arma e barganha para eleger Bolsonaro como presidente. Isso não cabe. O combate à corrupção continua presente e atual. Waldir (Pires) dizia que a corrupção não acaba, mas sim se combate diariamente construindo as instituições capazes de fazer”, ressaltou.

Biógrafo de Waldir Pires, o ex-deputado federal Emiliano disse que um traço marcante do ex-governador da Bahia era a “liderança inovadora”. O petista lançou na semana passada o segundo volume da obra que completa a narrativa sobre a trajetória de Waldir. No primeiro momento, há o relato desde o seu nascimento, em 1926, até a retomada de seus direitos políticos após o fim do AI-5, em 1978. O segundo volume retoma a narrativa desse ponto, até o ano de sua morte, em 2018, aos 91 anos. “Waldir foi uma liderança inovadora. Era firme e suave”, ressaltou Emiliano, durante entrevista à Rádio Câmara Salvador. O ex-deputado relembrou que conheceu o ex-governador no dia 12 de janeiro de 1979, quando Waldir Pires retornava à Bahia após o exílio no Uruguai, Paris e no Rio de Janeiro. “[Ele foi recebido com] um abraço das grandes personalidades, dos militantes da oposição. Tinha lá 200, 300 pessoas. O aeroporto estava lotado. Ali nós começamos a nos relacionar”, rememorou. “A minha relação com ele começa por uma empatia política”, acrescentou.

Copyright © 2023 Bahia Economica - Todos os direitos reservados.