SITUAÇÃO DO SISTEMA CARCERÁRIO DA BAHIA ESTÁ ENTRE AS MELHORES DO PÁIS

SITUAÇÃO DO SISTEMA CARCERÁRIO DA BAHIA ESTÁ ENTRE AS MELHORES DO PÁIS

Segundo levantamento do G1, o número de presos na Bahia é 29,5% a mais da capacidade ofertada. Segundo os números hoje no estado existem 15.660 presos e existe capacidade para 12,095. Desses 7.898 são considerados temporários, cerca de 50% da capacidade. Do total ainda 139.511 trabalham cerca de 18,9% e apenas 92.945 cerca de 12,6%. No quesito Superlotação, na comparação com o Brasil a situação da Bahia é uma das melhores do país.

O estado perde apenas para alguns da região Sul e da região centro-oeste. Segundo os números o Paraná é o estado em melhor situação do país (15,4%), seguido por Santa Catarina (23,1%) e depois a Bahia com (29,5%). No nordeste, a Bahia é o estado que menos apresenta esse problema. Seguido por Maranhão, Rio Grande do Norte, Paraíba , Segipe, Ceará e Pernambuco que está entre as maiores do país com 178% acima do seu limite.

Desde a última reportagem do G1, publicada em fevereiro de 2018, foram acrescidas ao sistema 8.651 vagas, número insuficiente para acomodar o total de presos, que cresceu 3,2% em um ano, com 21.952 internos a mais. Há hoje 708.546 presos para uma capacidade total de 415.960, um déficit de 292.586 vagas. Se forem contabilizados os presos em regime aberto e os que estão em carceragens da Polícia Civil, o número passa de 750 mil. Os presos provisórios (sem julgamento), que chegaram a representar 34,4% da massa carcerária há um ano, agora correspondem a 35,6%.

Os dados levantados pelo G1 via assessorias de imprensa e por meio da Lei de Acesso à Informação são referentes a março/abril, os mais atualizados do país. O último Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen), do governo, é de junho de 2016 – uma defasagem de quase três anos. Havia, na época, 689,5 mil presos no sistema penitenciário (e outros 37 mil em delegacias).