TEMER E SEU ALIADO, CORONEL LIMA, ESCOLHEM FICAR EM SILÊNCIO DURANTE DEPOIMENTO À PF

TEMER E SEU ALIADO, CORONEL LIMA, ESCOLHEM FICAR EM SILÊNCIO DURANTE DEPOIMENTO À PF

O ex-presidente Michel Temer (MDB) se reservou ao direito de ficar em silêncio em depoimento à Polícia Federal nesta sexta-feira, 22. O emedebista está preso desde o dia anterior, na sede da PF do Rio, no âmbito da Operação Descontaminação, braço da Lava Jato no Estado. O desembargador do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, Antonio Ivan Athié, determinou a inclusão do pedido liminar de liberdade do ex-presidente na pauta da quarta-feira, 27.

O coronel reformado da PM de São Paulo João Baptista Lima Filho, o coronel Lima, seguiu a estratégia de defesa de Michel Temer, seu velho amigo de mais de 40 anos, e também ficou em silêncio. Coronel Lima preferiu se manter calado no depoimento que prestaria no inquérito da Operação Descontaminação – desdobramento da Lava Jato que atribui a Temer o papel de líder de organização criminosa. Por meio de sua defesa, o militar disse que se reservava ao direito de permanecer em silêncio até que tenha acesso à íntegra dos autos. Coronel Lima está preso em uma unidade da Polícia Militar de Niterói, no Rio.

Já o ex-ministro Moreira Franco (Minas e Energia) não escolheu o silêncio como estratégia de defesa. Ele respondeu às perguntas da PF e, segundo seu advogado, Antonio Sérgio de Moraes Pitombo, “evidenciou ponto a ponto como as conjecturas são absurdas”.