QUEDA NA ARRECADAÇÃO MOSTRA NECESSIDADE DOS SINDICATOS SE REINVENTAREM, DIZ SINDILOJAS/BA

QUEDA NA ARRECADAÇÃO MOSTRA NECESSIDADE DOS SINDICATOS SE REINVENTAREM, DIZ SINDILOJAS/BA

Por João Paulo Almeida 

Depois da entrada em vigor da reforma trabalhista, em novembro, que acabou com o imposto sindical, os sindicatos viram sua arrecadação despencar 88% nos quatro primeiros meses do ano, segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Enxutos, os sindicatos querem contornar o baque se mostrando mais atuantes junto aos trabalhadores e tentam compensar parte da queda de receita com a conquista de novos associados.

Em entrevista ao portal Bahia Econômica, o presidente do Sindicato do Lojista do estado da Bahia, Paulo Motta, explicou que o momento é muito delicado para os sindicatos, que vão precisar se reinventar para se manterem fortes no mercado.

“Entendo que muito grave o momento que atravessa o sistema sindical brasileiro com a faculdade de seus atores empresas e trabalhadores contribuírem para sua manutenção. A queda da arrecadação compulsória prova uma grande reflexão quanto os interesses desses atores em manter o sistema vivo. Para isso cabe os atuais dirigentes desses sindicatos de se reinventarem para manter os seus representados ativos em suas representações. O SindilojasBa vem se ajustando a essa nova realidade com busca de maior interatividade com os seus representados procurando que o maior preceito legal dos sindicatos que é a harmonia capital/trabalho via convenções coletivas de trabalho buscando essa convivência pacífica esteja presente”, explicou Mota.

Segundo o Estadão, as mudanças nas leis trabalhistas drenaram recursos dos sindicatos. Apenas em abril, o volume total arrecadado pelas associações que representam trabalhadores foi de R$ 102,5 milhões – uma queda de 90% em relação ao mesmo mês de 2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.