CAIXA QUER DEIXAR COMO LEGADO INCENTIVO AO MICROCRÉDITO

CAIXA QUER DEIXAR COMO LEGADO INCENTIVO AO MICROCRÉDITO

Recém-empossado, o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, disse hoje (7) que pretende deixar como “legado” de sua passagem pelo comando da instituição o desenvolvimento de iniciativas de microcrédito. Segundo ele, as pessoas de baixa renda que querem obter empréstimos esbarram em taxas de juros de mais de 10%. “Por que não temos bancos emprestando para pessoas carentes a 2% [de taxa de juros]? Por que não podemos construir uma operação de 30 milhões de pessoas?”, disse Guimarães, em referência a experiências nesta área em outros países, como Bangladesh. Segundo ele, neste país há um programa específico para baixa renda e que reúne 28 milhões de clientes.

O novo titular da Caixa apontou como referência de microcrédito no país o Banco do Nordeste (BNB) e informou que está em diálogo com a instituição. Ele afirmou que o programa de microcrédito “não pode passar por agências” e tem que ser organizado em medidas com aplicação de “muita tecnologia”. Guimarães disse que está entre as prioridades na sua gestão ampliar a atuação no mercado imobiliário. Uma das metas é ir além dos 60 mil imóveis financiados pela instituição financeira. Segundo ele, o foco da Caixa não será o financiamento de grandes empresas, complementou.

O ministro da economia, Paulo Guedes, informou que serão feitas avaliações nos investimentos realizados pelo banco, citando como exemplo concreto o Fundo de Investimento do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), cujos recursos teriam sido direcionados para onde não deviam. O economista, com carreira no mercado financeiro, defendeu maior investimento em microcrédito e a abertura de capital ao setor privado de companhias subsidiárias, além de indicar outras metas de sua gestão.

Outro ponto destacado por Pedro Guimarães foi a abertura de capital ao setor privado. Ele justificou o fato pela necessidade de devolver ao Tesouro Nacional R$ 40 bilhões repassados pelo governo federal ao banco sem vencimento para capitalização. “Vamos abrir o capital de subsidiárias e pagar o Tesouro”, disse. Ele citou entre essas companhias a Caixa Loterias, Caixa Seguridade e Caixa cartões.

O presidente da Caixa disse que os financiamentos na área de infraestrutura serão avaliados levando em consideração os benefícios à sociedade e a rentabilidade para o banco. Citou como exemplo de novas frentes a iluminação pública. “Há possibilidade de fazer iluminação pública em 400, 500 cidades”, disse Guimarães, acrescentando que essas estruturas contribuem para melhorar a segurança pública. E citou como outros focos as obras de saneamento e de energias renováveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.