PROFESSOR DA UFBA CRITICA FAKE NEWS NA CAMPANHA

PROFESSOR DA UFBA CRITICA FAKE NEWS NA CAMPANHA

No ano de eleição o processo eleitoral deve seguir um ritual importante para evitar que se entre num ciclo vicioso e equivocado. A tecnologia trouxe a campanha uma oportunidade mais barata de divulgação, porém as chamadas fakes News podem atrapalhar o processo. Segundo o cientista político e professor da Universidade Federal da Bahia (Ufba), Jorge Almeida, é impossível prever o impacto real das fake news na eleição brasileira deste ano, mas, segundo ele, as notícias falsas devem “envenenar” o processo eleitoral.

Já que grupos políticos tanto de esquerda quanto de direita têm usado informações mentirosas para “manipular a opinião pública”. À Tribuna, Jorge Almeida ressaltou que há estudos que comprovam a criação de fake news, até mesmo por empresas, na eleição americana que elegeu Donaldo Trump e no plebiscito no qual definiu a saída do Reino Unido da União Europeia. Segundo o cientista político, no Brasil, o maior fabricador de notícias falsas é o Movimento Brasil Livre (MBL), que apoiou o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

De acordo com o especialista, grupos extremistas de direita são os que mais usam das fake news no Brasil para “reforçar determinadas posições e queimar os adversários”. Também, segundo ele, tentam “criar situações políticas que favoreçam candidaturas ou o golpe militar”. Jorge Almeida salientou que, na eleição presidencial de 2014, pessoas ligadas aos então candidatos Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) já usaram as fake news. A tendência, no entanto, é que, no pleito deste ano, a propagação de informações mentirosas seja ainda maior. O cientista político observou, ainda, que são por meio do aplicativo WhatsApp e da rede social Facebook que se distribuem a maior quantidade de fake news. Para ele, os autores deste tipo de notícia precisam ser penalizados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *