COLUNISTAS
 

ARMANDO AVENA - A ECONOMIA DO FORRÓ
ADARY OLIVEIRA - A PETROQUÍMICA E A ATRAÇÃO DE NOVOS INVESTIMENTOS
LUCAS LEAL - A SEMANA NA BOLSA DE VALORES - MAIS DO MESMO


BUSCA
 



ENTREVISTAS
 


CEZAR LEITE - VEREADOR PELO PSDB


SEU INVESTIMENTO
 


VAI VIAJAR DE ÚLTIMA HORA? VEJA COMO ECONOMIZAR NAS FÉRIAS DE JULHO




FRASE DO DIA
 


"Além de uma tradição cultural que precisa ser mantida e potencializada, o São João da Bahia também é uma atividade econômica para as cidades baianas. Acredito que o São João é para o interior, proporcionalmente, o que o Carnaval é para Salvador. Gera renda, atrai visitantes. As pessoas alugam suas casas, pousadas e hotéis ficam lotados e o comércio local é movimentado. Por isso é importante a participação do Estado para que as festas aconteçam",

Rui Costa(PT)
Governador da Bahia  









NOTÍCIAS
 
WAGNER DIZ TER RECUSADO PROPOSTAS DA ODEBRECHT E FALA DA CERB
20/04 - 16:11hs -


 

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico e ex-governador da Bahia, Jaques Wagner, esteve em Feira de Santana na manhã desta quinta-feira (20), para participar do Congresso da Agricultura Familiar, Terra e Produção de Alimentos. Durante o evento, ele falou sobre as acusações feitas contra ele de ter recebido dinheiro da Odebrecht para se beneficiar politicamente. Jaques Wagner disse estar tranquilo e revelou que recusou propostas que beneficiaram a Odebrecht em obras quando era governador da Bahia.
 
“A obra do metrô, que foi a maior do meu governo, eles se quer entraram na licitação. Queriam que eu colocasse um bilhão de reais a mais e eu não coloquei. A obra da Via Expressa, que foi a primeira grande do meu governo, eles também não entraram na licitação. Queriam que eu garantisse que a obra seria deles e eu disse que no meu governo era licitação.”, revelou.
 
Jaques Wagner diz que os delatores estão falando de doações para campanhas, mas não apontam obras superfaturadas na Bahia durante o governo dele, porque, segundo o ex-governador, não existem. “Vamos esperar, pois por enquanto só tem notícias de delatores que, para se safar da prisão, dizem o que querem, verdades e mentiras”, disse.
 
Sobre a denúncia de um dos delatores de que ele teria mediado o pagamento de uma dívida da Companhia de Engenharia Ambiental e Recursos Hídricos da Bahia (Cerb) para a Odebrecht, o ex-governador negou. Ele afirmou que o estado foi condenado pelo judiciário e disse que se tem alguma coisa errada com o pagamento “vai ter que prender muita gente do judiciário”, uma vez que o Estado apenas cumpriu uma decisão da Justiça.
 
“Se tem alguma coisa errada com aquele pagamento, tem que prender muita gente do Judiciário, porque foi o Judiciário que condenou o Estado a pagar uma dívida antiga de 1989. A dívida do Estado era de R$ 1,4 bilhão e nós acabamos fazendo um acordo para pagar R$ 290 [milhões] em 100 parcelas, em oito anos. Eu, na verdade, só fiz beneficiar. Havia uma condenação transitada em julgado, já tinha até o pedido de penhora de máquinas da Cerb, e o valor de condenação era R$ 1,4 bi. Se acha que foi um mau negócio, aí eu não sei. Mas, vou repetir, se teve trambique, foi na condenação do Estado”, afirmou.





Rua Dr. José Peroba, 297, edf. Atlanta Empresarial, sala 709/710 - Stiep - Salvador CEP: 41.770 - 235 - Tel: 3037 - 2960, Tel - 3565 - 2888