COLUNISTAS
 

ARMANDO AVENA - ELEIÇÕES 2018: A CHAPA DO GOVERNO
LUCAS LEAL - A SEMANA NA BOLSA - NOVA MÁXIMA HISTÓRICA
JOSÉ MACIEL - AGRONEGÓCIO SUSTENTÁVEL GANHA ADESÕES E ESPAÇOS


BUSCA
 



ENTREVISTAS
 


LIDICE DA MATA - SENADORA DO PSB PELA BAHIA


SEU INVESTIMENTO
 


BC E ASSOCIAÇÃO LANÇAM CAMPANHA PELO USO CONSCIENTE DO CARTÃO DE CRÉDITO




FRASE DO DIA
 


"Eu vou para federal porque o ambiente da política na minha região proporciona um fato inusitado: não tem nenhum candidato da base em Feira"

Zé Neto 
Deputado Estadual 









ENTREVISTAS
 
AFONSO FLORENCE - DEPUTADO ESTADUAL PT


BE- A política no Brasil está passando por mais um momento delicado. As delações da JBS colocaram o presidente Michel Temer numa situação muito complicada. Na sua opinião qual a melhor solução para o país nesse momento? Por que?

AF -  A melhor solução é a saída de Temer com eleição direta para presidente da república. O melhor seria eleições gerais.

BE- A crise política afetou bastante a economia na era Dilma. No governo Temer a economia deu sinais de recuperação, principalmente depois do avanço das reformas no senado e câmara. Esse novo escândalo pode interferir no progresso das reformas trabalhistas e da previdência em Brasília?

AF - O ano de 2014 foi de menor desemprego da série histórica e maior poder aquisitivo dos salários. É fato que tivemos uma crise fiscal, mas ela carregava externalidades, tinha relação direta com a crise macroeconômica. Em 2014, quando o governo Dilma alterou sua orientação macroeconômica após um segundo turno que consagrou politicamente e eleitoralmente o "novo modelo de desenvolvimento" adotando medidas políticas, em especial um forte ajuste fiscal, ocasionou forte queda da atividade econômica perdendo rapidamente o apoio popular. Após o impeachment, o governo Temer realizou ajuste fiscal estrutural, diferente e mais profundo daquele de Dilma, jogando o país na maior recessão da sua história. Portanto, não houve melhora do quadro macroeconômica, houve redução da inflação em decorrência da recessão. Vindo as provas de corrupção e tentativa de obstrução da justiça por Temer ele não consegue mais governar, menos ainda aprovar reformas impopulares, as reformas que retiram direitos não passarão.

BE - Em caso de renúncia do presidente Michel Temer, o Brasil vai passar por um novo processo de eleições indiretas. Na sua opinião, pensando a situação política do país do jeito que está. Qual seria o melhor nome para assumir o país e tentar contornar a situação?

AF - Para tirar o país da crise só renovando mandato popular com eleições diretas.

BE- O PT da Bahia recolocou Everaldo Anunciação como presidente no estado. Ele teve apoio do Governador Rui Costa e isso deixou algumas lideranças internas do PT contrariadas. Isso pode atrapalhar nas eleições de 2018, onde o governador vai tentar se reeleger?

AF - De forma alguma.

BE- O Deputado e presidente da Assembleia legislativa Angelo Coronel afirmou que pretende convencer Otto Alencar a ser candidato a governador em 2018. Isso representaria uma quebra interna no cenário do PT no estado. Como o senhor avalia essa situação?

AF - O senador Otto tem dito, reiteradamente, que apoiará Rui Costa em 2018.

BE - O presidente Lula continua liderando as pesquisas de intenção de voto para eleições de 2018. Porém, a justiça continua incluindo ele como réu em vários processos, tanto da lava-jato, como em outros casos. Como o senhor avalia essa situação?

AF -Na democracia, condenação só com provas e não há, nem haverá, provas contra Lula.

BE- Sem o presidente Lula quem seria o nome do PT nas eleições?

AF - Lula será nosso candidato.




Rua Dr. José Peroba, 297, edf. Atlanta Empresarial, sala 709/710 - Stiep - Salvador CEP: 41.770 - 235 - Tel: 3565 - 2888