COLUNISTAS
 

LUCAS LEAL - A SEMANA NA BOLSA - OBJETIVO ATINGIDO
MILTON CEDRAZ - POR UMA SALVADOR AMBIENTALMENTE CORRETA
ARMANDO AVENA - BAHIA: A ECONOMIA VOLTOU A CRESCER


BUSCA
 



ENTREVISTAS
 


BRUNO DAUSTER - SECRETÁRIO DA CASA CIVIL DO ESTADO DA BAHIA


SEU INVESTIMENTO
 


JUROS CAEM, MAS TAXA CONTINUA ALTA PARA EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS




FRASE DO DIA
 


"A plena integração entre os sistemas de transportes de trilho e pneus traz para a população a garantia da diminuição do tempo de locomoção e a redução do custo com o transporte público"

Brunno Dauster
Secretário Casa Cívil do Estado









ARTIGO
 
25/06/2017 09:07
ADARY OLIVEIRA - A PETROQUÍMICA E A ATRAÇÃO DE NOVOS INVESTIMENTOS

 



A decisão do governo brasileiro de implantar polos petroquímicos foi uma consequência da pressão exercida pela crescente demanda de produtos fabricados com petroquímicos básicos. Esses produtos passaram a ser importados para a fabricação de materiais que começaram a ser usados vastamente nos Estados Unidos e países da Europa e se espalharam pelo mundo.

Assim, as embalagens, os tubos para água e esgoto, os para-choques de automóveis, passaram a ser fabricados com o polietileno, o cloreto de polivinila (PVC) e a caprolactama adquiridos no exterior. Os filamentos sintéticos empregados pela indústria têxtil brasileira na fabricação de tecidos e peças do vestuário, advieram igualmente da poliamida, do poliéster e do acrílico importados. Os elastômeros sintéticos, usados em larga escala na fabricação de pneumáticos e câmaras de ar, da mesma forma eram de origem externa. O mesmo acontecia com os insumos utilizados na fabricação de detergentes sintéticos, tintas, vernizes e outros materiais.

A produção de quase todos os insumos básicos usados na fabricação de plásticos, têxteis, elastômeros, detergentes, tintas e vernizes poderia ser iniciada no Brasil a partir da nafta, matéria prima parcialmente disponível nas refinarias de petróleo. A instalação de um complexo industrial químico integrado em Camaçari, abriu espaço para dotar a Região Metropolitana de Salvador (RMS) de infraestrutura industrial capaz de atrair novas indústrias e promoveu a urbanização das principais metrópoles de forma acelerada, gerando forte demanda por serviços públicos.

Os traços temporal e espacial refletidos nas estruturas de urbanização e desenvolvimento, em decorrência da adoção de inovações, seguiram comportamentos que obedeciam às características da região e, a velocidade de suas ocorrências, foram limitadas pela capacidade de realização dos governos municipais e estaduais.

Apesar de se ter verificado consideráveis descontinuidades, pois o início do funcionamento do Polo se deu 28 anos depois da partida da Refinaria de Mataripe e o start up da montadora da Ford 23 anos depois do Polo começar a funcionar, criou-se uma tabela insumo-produto capaz de atrair novas indústrias através de suas ligações.

O crescente ajuntamento de negócios resultante de fusões e incorporações de empresas, seguindo uma tendência mundial do setor químico e petroquímico, trazendo economias operacionais, fiscais e de incremento de novos produtos, estabeleceu um ambiente mais favorável ao desenvolvimento econômico. O ritmo com que novas unidades industriais têm sido atraídas para os municípios de Camaçari, Candeias, Simões Filho e Lauro de Freitas, sofre influência clara da presença de mão de obra qualificada e complementaridades externas no campo financeiro, comercial, logístico, administrativo e de proteção ambiental.

Pode-se considerar verdadeira a afirmação que a atratividade exercida pela RMS na instalação de novas unidades industriais e consequentemente na adoção de inovações, termina por estabelecer uma tendência mais acelerada da atividade econômica dessas cidades, influindo sobre seus padrões de urbanização. Contudo, a necessidade urgente de medidas que direcionem o desenvolvimento para o interior do Estado, através de projetos como o Porto Sul, Ferrovia Oeste-Leste (FIOL), extração mineral, geração de energia de fonte eólica e solar, exploração e produção de petróleo e gás natural em terra e do agronegócio, não podem mais ser adiadas e devem
ocupar todas as listas de prioridades dos governantes.

Adary Oliveira
 Doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, Espanha
adary347@gmail.com

 

Rua Dr. José Peroba, 297, edf. Atlanta Empresarial, sala 709/710 - Stiep - Salvador CEP: 41.770 - 235 - Tel: 3037 - 2960